Afisa-PR

Rússia tem alternativas viáveis para substituir a carne brasileira

O Brasil deve reestruturar seu sistema de fiscalização agropecuária e abandonar iniciativas que visam privatizá-lo

  Crédito imagem: РБК

 

A Rússia tem alternativas viáveis para substituir a carne bovina e suína do Brasil. A carne bovina brasileira é facilmente substituída por importações de outros países da América Latina (Uruguai, Paraguai e Argentina), onde muitas empresas estão certificadas para abastecimento no mercado russo. A substituição da carne suína passa pelo desenvolvimento da produção própria, a oferta já é excessiva e o presidente da holding Miratorg, Viktor Linnik, lembra que a "produção de suínos está se desenvolvendo ativamente na Rússia", visto que sua produção cresce anualmente em 300-400 mil toneladas.

Para a Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR), sem que o Brasil adote as providências para reestruturar sua fiscalização agropecuária pública, bem como, abandonar iniciativas privaticionistas em gravíssimo prejuízo de uma atividade exclusiva típica de Estado, por isso, não delegável para a iniciativa privada, como intencionam os inconstitucionais e ilegais projetos de lei 334/20151 e 326/20162, a tendência, lamentavelmente, será perda progressiva de importantes comércios estrangeiros de produtos derivados da carne. 

A notícia A Rússia proibiu o maior importador de carne de suínos do portal www.rbc.ru do dia 20 de novembro de 2017, informa que a legislação da Rússia proíbe o uso de ractopamina e outros estimulantes do crescimento muscular na produção de produtos alimentares e que também é proibida a importação de produtos acabados com o conteúdo deste aditivo.

No biênio 2013-2014, a Rússia concordou em admitir seu mercado carne suína e bovina do Brasil, desde que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) garantisse o fornecimento de produtos de origem animal, cuja produção não tenha sido utilizada a ractopamina. Já no primeiro semestre de 2014, o Brasil tornou-se o maior fornecedor de carne de suína (de todos os tipos) e bovina para a Rússia - do volume total de importações 425,4 mil toneladas, representou 176,4 mil toneladas desse suprimento.

Após quase três anos, o Brasil mantém sua liderança. De acordo com o Serviço Federal de Alfândega da Rússia, nos primeiros nove meses de 2017, foram importadas para a Rússia "(...) 287,075 mil toneladas de carne brasileira (ou 52,1% do volume total importado em espécie). Em seguida, a Bielorrússia (180.500 toneladas) (...) e Paraguai (48,24 mil toneladas...) (...)".

 

Na prática, substituição de importação

Segundo a notícia, o Brasil representava cerca de 90% das importações de carne de suíno, diz o chefe do Comitê Executivo da Associação Nacional de Carne Sergei Yushin. Segundo ele, agora não há alternativas para a carne de porco brasileira, porque os países da UE, dos EUA e do Canadá, que podem substituir os volumes em queda, são embargados. Ao mesmo tempo, Yushin admite, parar as importações do Brasil não causará grandes problemas, já que a Rússia desenvolveu sua própria produção de carne suína e, dada a importação, a oferta é excessiva. Com ele concorda com o presidente da holding Miratorg Viktor Linnik. Ele lembra que a produção de suínos está se desenvolvendo ativamente na Rússia - a produção cresce anualmente em 300-400 mil toneladas.

A substituição de importações foi o melhor no setor da carne, o Ministério da Agricultura reconhecido anteriormente, citando o desenvolvimento da produção de suínos como exemplo. Neste segmento, a participação das importações no consumo diminuiu três vezes: em 2013, antes da introdução das sanções, foi de 26%, no final de 2016, apenas 8%.

As entregas de carne bovina brasileira são facilmente substituídas por importações de outros países da América Latina - Uruguai, Paraguai e Argentina, onde muitas empresas estão certificadas para abastecimento no mercado russo, continua Linnik. Segundo ele, os produtos do Brasil são utilizados principalmente no processamento de carne. A participação da carne na produção de produtos acabados em geral é baixa, mas a proibição das importações brasileiras pode afetar o custo de salsichas cruas caras, acredita Yushin.

 

Exportação de carne: Rússia libera 9 frigoríficos

Segundo a notícia Rússia retira embargo a carne suína e bovina do Brasil do Sputnik de 31 de outubro de 2018, "O Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) avaliou as medidas tomadas pelo lado brasileiro quanto à eliminação das violações identificadas quanto ao uso de ractopamina na alimentação do gado, além de resultados dos estudos laboratoriais de produtos fabricados por empresas nacionais" e "A carne brasileira foi embargada no mercado russo desde novembro de 2017 pelo uso de ractopamina, substância proibida em alimentos na Rússia. Com a queda da restrição, o Brasil poderá voltar a exportar para o país a partir de amanhã, 1 de novembro".

Não é a primeira vez que a Rússia suspende e depois libera a importação de carne brasileira por motivos de segurança alimentar. Em 2013, o governo do primeiro-ministro Dmitri Medvedev já havia embargado a carne oriunda de três estados brasileiros por causa da mesma contaminação com o hormônio de crescimento ractopamina.

______________

Projeto de lei 334/2015; autor: Marco Tebaldi (PSDB-SC); Apresentação: 11/02/2015; Ementa: Altera o art. 4º da Lei nº 1283 de 18 de dezembro de 1.950, regulamentado pelo decreto nº 30.691 de 29 de março de 1952, que dispõe sobre a inspeção industrial e sanitária dos produtos de origem animal, e dá outras providências; Explicação da Ementa: Permite que Estados e Municípios realizem a inspeção sanitária de produtos de origem animal; Situação: Aguardando Parecer do Relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC); relator atual: Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Projeto de Lei do Senado 326/2016; autoria:  Dário Berger (PMDB-SC);  Natureza: Norma geral; Assunto: Econômico - agricultura, pecuária e abastecimento; Ementa e explicação da ementa: Institui a Política Nacional de Defesa Agropecuária; Explicação da Ementa: "Institui a Política Nacional de Defesa Agropecuária, com a finalidade de proteção do meio ambiente, da economia nacional e da saúde humana"; relator atual: Ronaldo Caiado (DEM-MT).

Modificado em 16-11-2018 em 08:19

 

Notícias vínculadas:

26-10-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Segurança alimentar: alimentos inseguros custam US$ 110 bilhões por ano aos países de baixa e média renda [Estudo do Banco Mundial: seu economista agrícola líder e co-autor do estudo, Steven Jaffee, afirmou que os governos dos países de baixa e média renda — caso do Brasil, citado nesse estudo — precisam ser mais inteligentes para investir em segurança alimentar e monitorar o impacto das intervenções que fazem & Food security: Unsafe food costs US $110 billion per year to low and middle-income countries & World Bank Study: it´s leading agricultural economist and co-author, Steven Jaffee, said the governments of the low-and middle-income countries — the case of Brazil, cited in this study — need to be smarter to invest in food security and Monitor the impact of interventions that make]

19-7-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: a perda do significativo mercado de carne da Rússia [O Brasil respondia por 90% da carne suína importada pela Rússia! Hoje, corresponde a 0%! E os responsáveis?]

19-7-2018 - GlobalMeat News & Russia's meat imports continue to shrink [Russia imported 203,500 tonnes (t) of meat during the first halt oi 2018, a drop of almost 70% compared with same period in 2017, the Federal Customs Service (FCS) said in a statement on its website on 15 July]

27-1-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Rússia: encontro teve como tema central a proibição da carne [Autoridades russas destacaram que proíbem o uso do cloridrato de ractopamina na produção de carne & Russia: meeting had as its central theme the ban on brazilian meat & Russian authorities have highlighted that prohibit the use of Ractopamine in meat production]

21-11-2017 - Sputnik & Brasil pede provas à Rússia de presença de estimulantes na carne brasileira [O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil (Mapa) solicitou às autoridades russas certificados do serviço de inspeção e os respetivos laudos laboratoriais indicando a presença de substâncias proibidas na carne brasileira, alvo de sanções anunciadas ontem pelo serviço veterinário e fitossanitário da Rússia, o Rosselkhoznadzor]

20-11-2017 - BBC & Россия запретила говядину из Бразилии. Что будет с ценами? [A Rússia proibiu a carne do Brasil. O que acontecerá com os preços?] 

20-11-2017 - РБК & Россия запретила крупнейшему импортеру поставки свинины и говядины

14-7-2017 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da DIREX: está sob ataque a fiscalização agropecuária pública [A corrupção de alguns fiscais agropecuários descoberta pela Operação Carne Fraca, lamentavelmente, auxilia a "lógica" irracional dos setores que intencionam privatizar a fiscalização agropecuária pública]

13-6-2017 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326/2016: Afisa-PR critica convocação de Caiado [Audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária debaterá o PLS 326/2016 que alega "instituir a Política Nacional de Defesa Agropecuária", mas na prática, intenciona privatizar a fiscalização agropecuária pública. Afisa-PR criticou a convocação do responsável pela Portaria 158/2014 que privatizou parte da fiscalização pública de produtos de origem animal do Paraná]

8-10-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326/2016: Afisa-PR encaminhou carta ao seu relator no Senado [A aprovação do PLS 326 de 2016 é inadmissível, pois visa privatizar a fiscalização agropecuária pública]

31-10-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326/2016: Modus operandi importado? [É necessário dar um rotundo não ao inconstitucional, ilegal, prejudicial e privaticionista PLS 326/2016]

7-7-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Contra o PL 334/2015, a Afisa-PR encaminha carta ao seu relator, Onyx Lorenzoni [Contra os inaceitáveis termos do PL 334/2015 a Afisa-PR, com essa iniciativa, traz à discussão consistentes informações  dispostas em tópicos, apêndices e casos que desnudam a inconstitucional e ilegal privatização da fiscalização pública de produtos de origem animal]

1-12-2015 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Grupo de trabalho apresenta proposta de reestruturação do SISBI/POA [O GT, instituído pela Portaria 58/2015, foi formado para apresentar as diretrizes e o projeto de reestruturação do SISBI/POA]

 

Veja também o  Facebook da Afisa-PR e   @AFISAPR da Afisa-PR