Afisa-PR

EUA: Privatização da inspeção do abate de aves intensificará o uso de produtos químicos

Em Qual é o problema da inspeção da carne?] “Nos EUA em vez de diminuir o ritmo da produção para garantir o fornecimento de carne segura e saudável, a indústria apela para produtos químicos para tentar desinfetar bactérias como a Salmonella  e esterilizar as fezes que ainda podem estar na carne processada.”  — Food & Water Watch. E no Brasil almeja-se, mediante a aprovação dos projetos de lei 334/2015 e 326/2016, o HIMP” piorado em prejuízo da fiscalização agropecuária pública

USA: privatization of slaughter poultry inspection will enhance the use of chemicals & What´s the problem of meat inspection? In the US, instead of decreasing the rate of production to ensure the provision of safe and healthy beef, industry calls for chemicals to try to disinfect bacteria such as Salmonella and sterilize the feces that can still be in processed meat. (Food & Watch). And in Brazil they want to impose, via the Bills and 326, 334 HIMP worsened to the detriment of agricultural inspection promoted by public authorities
 
 
 
 

A Food Integrity Campaign alerta para as consequências da privatização da fiscalização pública da carne de frango, visto que o U. S. Department of Agriculture (USDA) atua para estabelecer um plano de “modernização — a chocante privatização Chicken Rule (Regra do Frango) — que acelerará a fiscalização nas linhas de processamento e, consequentemente, “confiará” no uso intensivo de produtos químicos para controlar a proliferação de patógenos na carne.

Os fiscais agropecuários públicos do FSIS/USDA relatam que, de acordo com a nova regra privaticionista proposta pelo governo, a carne contaminada de frango provavelmente receberá um tratamento de coquetel químico (chemical cocktail treatment) em vez de ser condenada ou removida para limpeza. A utilização intensiva de produtos químicos no processamento da carne de frango fará com que os trabalhadores dos frigoríficos fiquem mais expostos. Os problemas de saúde para os fiscais agropecuários do FSIS/USDA e para os trabalhadores que atuam nas linhas de produção dos frigoríficos, certamente aumentarão de forma exponencial, caso o novo sistema de “fiscalização” privada da carne de frango seja implementado em todo os EUA.

Dezenas de fiscais agropecuários do FSIS/USDA relataram à Food Integrity Campaign os inúmeros problemas que diagnosticaram no plano de privatização proposto pelo governo — à época do governo Obama chamado New Poultry Inspection System (NPIS) para o abate de aves — incluindo a ex-fiscal agropecuária aposentada e denunciante Phyllis McKelvey

Com 44 anos de experiência na fiscalização pública do abate de aves, incluindo um trabalho em um dos primeiros frigoríficos-piloto que testou a “funcionalidade” da “fiscalização” privada em alta velocidade (pilot high-speed poultry inspection program), Phyllis testemunhou em primeira mão os danos criados pelo novo “sistema de fiscalização” testado pelo USDA/FSIS.  

 

Na Câmara e no Senado tramitam projetos que visam privatizar a segurança alimentar da população

Na contramão da necessidade do aperfeiçoamento,  modernização entre outras medidas medidas governamentais para preservar a saúde pública e a segurança alimentar da população, na Câmara tramita o PL 334/20151 que intenciona privatizar a fiscalização pública de produtos de de origem animal e no Senado tramita o PLS 326/20162 que intenciona privatizar (pelo binômio “credenciamento privado” e auditoria pública”) toda a fiscalização agropecuária pública3 e a sumária revogação do Decreto 5.741/2006 que assenta e organiza em uma base pública o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA).

 

Modus operandi importado?

Um lobby formado por certos comissionados em cargos de comando no serviço público, certos parlamentares e certos setores da iniciativa privada, desinformados sobre a importância de se manter a fiscalização agropecuária pública, visto que estratégica atividade do Poder Público é de fundamental importância para conferir confiabilidade e credibilidade às commodities agrícolas para consumo interno e externo, atuam para privatizá-la à margem das normas constitucionais e legais, visto tratar-se de atividade exclusiva e típica de Estado, portanto, não delegável para a iniciativa privada. Diante dessa situação, a Afisa-PR registrou seus alertas, respectivamente, através da carta 42 de 2016 e da carta 66 de 2016, contra os termos propostos pelos projetos de lei 334/2015 e 326/2016.

 

EUA: frigoríficos privatizados revelaram mais falhas na detecção de Salmonella na carne de frango

A notícia Privatized Inspection Plants Still Turning Out More Contaminated Chicken do Food & Water Watch de 18 de setembro de 2018 informa que os dados divulgados recentemente pelo Food Safety and Inspection Service (FSIS), vinculado ao USDA, bem como,  informações asseguradas pela Lei de Liberdade de Informação (FOIA)1, possibilitou ao grupo de defesa do consumidor Food & Water Watch revelar que os frigoríficos de abate de frango que se converteram em "modelo de inspeção privatizado", chamado nos EUA de  New Poultry Inspection System (NPIS), continuam a mostrar uma maior probabilidade de falhar no padrão de desempenho do governo para Salmonella do que as plantas que ainda usam o modelo público de inspeção agropecuária.

"Na época em que o NPIS foi proposto em 2012, as autoridades do USDA alegaram que o esquema de inspeção privatizado reduziria os níveis de patógenos em aves de criação. Parece que o oposto está acontecendo", disse Wenonah Hauter, diretora executiva da Food & Water Watch. "Alguns dos grandes participantes do processamento de [carne de] aves optaram por seguir a rota de ["inspeção" privada] desregulamentação, e parece que eles não são confiáveis para se [auto]policiarem. É hora de o FSIS parar a conversão [da privatização] de qualquer outro frigorífico, porque os próprios dados deste Serviço mostram que o NPIS não entrega alimentos mais seguros".

"Na época em que o NPIS foi proposto em 2012, as autoridades do USDA alegaram que o esquema de inspeção privatizado reduziria os níveis de patógenos em aves de criação. Parece que o oposto está acontecendo", disse Wenonah Hauter, diretora executiva da Food & Water Watch. "Alguns dos grandes participantes do processamento de [carne de] aves optaram por seguir a rota de ["inspeção" privada] desregulamentação, e parece que eles não são confiáveis para se [auto]policiarem. É hora de o FSIS parar a conversão [da privatização] de qualquer outro frigorífico, porque os próprios dados deste Serviço mostram que o NPIS não entrega alimentos mais seguros".

Os frigoríficos que adotaram o NPIS possuem menos inspetores públicos do FSIS & USDA na linha de abate, e a maioria das tarefas de inspeção é transferida para os funcionários dos próprios frigoríficos. Sob inspeção pública, pode haver até quatro inspetores do governo designados para uma linha de abate com cada um deles responsável por avaliar até 35 carcaças de aves por minuto. Sob o NPIS, há apenas um inspetor do governo designado para a linha de abate e ele é responsável por inspecionar até três aves por segundo.

Em 14 de setembro, o FSIS publicou seus mais recentes dados regulamentares de testes de Salmonella para carcaças de aves por frigorífico.  De um total de 205 plantas de frango listadas, 189 plantas tinham dados suficientes para avaliar se elas atendiam ao padrão de desempenho de Salmonella. De acordo com os dados do USDA:

1 Trinta e quatro frigoríficos falharam no padrão de desempenho de detecção de Salmonella.

1.1 Dezesseis desses frigoríficos já haviam se convertido no sistema privatizado NPIS; mais dois estavam listados para futura conversão.

1.2 Dezoito das frigoríficos que falharam no padrão de desempenho de detecção de Salmonella estavam usando o modelo tradicional de inspeção.

2. Cinquenta e cinco frigoríficos de frango haviam se convertido no sistema privatizado NPIS a partir de maio de 2018.

2.1 Quase um terço das plantas privatizadas sob NPIS (29%) falhou no padrão de desempenho de detecção de Salmonella, em oposição a 13% das 134 plantas sob inspeção pública (sem o NPIS) que falharam neste padrão.

 

Ações da Afisa-PR em defesa do interesse e da segurança alimentar da população 

Para a UE, a carne e produtos derivados provenientes dos frigoríficos discriminados no Anexo do Regulamento de Execução (UE) nº 2018/700, "podem, por conseguinte, constituir um risco para a saúde pública", assim sendo, foi "conveniente retirá-los da lista de estabelecimentos a partir dos quais são autorizadas importações de carne e produtos à base de carne".

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) alerta que a situação da fiscalização agropecuária pública do Brasil ficará pior caso o Congresso Nacional aprove projetos de leis privaticionistas, um típico "modelo" de HIMP piorado, em gravíssimo prejuízo do país. 

No Estado do Paraná, em detrimento da segurança alimentar da população, o então governo Richa permitiu a terceirização3 da inspeção de produtos de origem animal em frigoríficos que exigem fiscalização permanente do fiscal da defesa agropecuária oficial.   Esta terceirização "permite" que os próprios frigoríficos, através de um sistema de credenciamento, contratem e remunerem seus próprios "inspetores". Ocorre que a fiscalização agropecuária pública é atividade exclusiva de Estado e indelegável ao setor privado.

A Portaria nº 158 de 2014 da autarquia de fiscalização agropecuária do Paraná "permite" a terceirização da "fiscalização" da carne, porém, este ato é considerada inconstitucional e ilegal, conforme o Ofício 396/2017/GM-MAPA de 2017 vinculado ao Despacho 21000.017383/2017-81 e ao Relatório Final de Auditoria de Conformidade no Serviço de Inspeção Estadual do Paraná – 2016, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) informou o Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR) sobre a terceirização promovida pela autarquia de defesa agropecuária do Paraná. O MPPR, posteriormente, instaurou o IC MPPR-0046.16.099593-5 que tramita na 5ª Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba para investigar "a legalidade de Portaria 158/2014-ADAPAR, que dispõe sobre o credenciamento de pessoas jurídicas para inspeção sanitária".

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) solicitou que o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) tome providência contra a Portaria nº 158.

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) protocolou carta ao ministro Blairo Maggi do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) requerendo o envio de proposta de legislação ao Poder Legislativo para obrigar a instalação de circuito fechado de televisão (CFTV), similarmente ao sistema inglês, inclusive, em todas as áreas onde estão presentes animais vivos, nos frigoríficos abrangidos pelas Instâncias Central e Superior, Intermediárias e Locais, que integram o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA) que é organizado pelo Decreto nº 5.741 de 2006.

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR), além de posicionar contrariamente à privatização ou à terceirização em detrimento das atividades institucionais da fiscalização agropecuária pública, defende e reivindica uma legislação similar ao sistema inglês que torne obrigatório o CFTV em todos os frigoríficos brasileiros, visto que esta providência proporcionará aos fiscais agropecuários médicos veterinários vinculados ao Estado acesso irrestrito a todas as filmagens, a auxiliar sobremaneira a inspeção de produtos de origem animal e o efetivo cumprimento da legislação com o objetivo de satisfazer o interesse público pela garantia, em todo o território nacional, de adequados padrões de segurança alimentar e de bem-estar animal.

 

Operação Trapaça: provas anexadas pela PF mostram a "surpreendente" não comunicação dolosa do teste positivo para contaminação por Salmonella1

Segundo a notícia PF indicia Abilio Diniz por estelionato e organização criminosa (por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt) do Estadão de 15 de outubro de 2018, a Polícia Federal indicia envolvidos com a Operação Trapaça por estelionato e organização criminosa, além de crime contra a saúde pública e o de falsidade ideológica. Segundo a notícia "A Polícia Federal indiciou o empresário Abilio Diniz nos autos da Operação Trapaça por estelionato, organização criminosa, crime contra saúde pública e falsidade ideológica. Outros 42 investigados também foram indiciados. Na lista está o ex-diretor-presidente global da BRF Pedro Faria.

No relatório final do inquérito, a PF afirma que um esquema de fraudes nas unidades da BRF tinham como finalidade burlar o Serviço de Inspeção Federal (SIF), do Ministério da Agricultura, e as fiscalizações de qualidade do processo industrial da empresa. As investigações concluíram que a prática das fraudes contava com a anuência de executivos do grupo, bem como de seu corpo técnico, além de profissionais responsáveis pelo controle de qualidade dos produtos da própria empresa.

A Trapaça, desdobramento da Carne Fraca, foi deflagrada em março deste ano. A operação tinha como alvo um esquema de fraudes descoberto na empresa BRF, gigante do setor de carnes e processados, para burlar as fiscalizações do Ministério da Agricultura.

Dividido em três frentes de irregularidades, uma delas trata sobre as fraudes nas comunicações de presença de salmonella nos produtos. 'A legislação é clara quanto à necessidade de notificação pela empresa em caso de detecção positiva da bactéria Salmonella pullorum. Nesse ponto, o que chama atenção é o fato da não comunicação ocorrer de modo intencional, de maneira articulada, e com o evidente propósito de retirar do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, seu poder fiscalizatório legal e absolutamente necessário para preservação da saúde pública e animal', registra o relatório.

No relatório de 405 páginas o delegado Mauricio Moscardi, da Polícia Federal em Curitiba, afirma que as 'provas anexadas' mostram 'surpreendentemente' a 'não comunicação dolosa da positivação de Salmonella typhimurium aos órgãos de fiscalização federal'.

'É caso mais grave ainda, pois trata-se de classificação de salmonela que atinge diretamente a saúde humana. Conforme rastreabilidade identificada, os produtos foram destinados ao consumo nacional sem qualquer tratamento ou cuidado sanitário exigido pela legislação', afirma relatório da PF (...)".

 

União Europeia (UE): avanço laboratorial promete vida dura às commodities agrícolas com Salmonella

Segundo a notícia EU labs take part in Salmonella typing assessment; almost half use WGS do Food Safety News de 31-10-2018, a primeira análise de grupo baseada em tipagem molecular no âmbito europeu mostrou um "desempenho muito alto", de acordo com o European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC).

O "oitavo esquema de avaliação de qualidade externa" (EQA-8, Eighth external quality assessment scheme for Salmonella typing) para a tipagem de Salmonella foi organizado para atender laboratórios nacionais de referência em saúde pública (PH NRLs) na rede de doenças e zoonoses e doenças alimentares (FWD-Net). Seus objetivos foram avaliar a qualidade e comparabilidade dos dados de tipagem molecular produzidos pelos laboratórios.

O ECDC, segundo a notícia, disse à Food Safety News "que quase metade dos laboratórios participantes já pode realizar análises de grupo usando dados do sequenciamento genômico completo (WGS)". A EQA-8 também forneceu informações sobre a comparação de resultados usando diferentes métodos moleculares.

Em 2016, a salmonelose foi a segunda doença zoonótica mais comumente relatada na UE. De 2012 a 2016, o número anual de casos ficou na faixa de 92.012 a 94.597. No entanto, em 2013, foram notificados 87.453 casos.

Os dados de vigilância são comunicados pelos Estados-membros ao The European Surveillance System (TESSy). Dados de eletroforese em gel de campo pulsado (PFGE) e número variável de múltiplos locos de análise de repetição em série (MLVA) são coletados em TESSy.

A EQA-8 continha duas novas características: avaliação do desempenho do MLVA para Salmonella enteritidis e capacidade de identificar um grupo baseado na tipagem molecular por PFGE, MLVA e/ou dados derivados do sequenciamento do genoma inteiro.

Modificado em 12-11-2018 em 20:34

___________________________________

PL 334/2015; autor: Marco Tebaldi (PSDB-SC); Apresentação: 11/02/2015; Ementa: Altera o art. 4º da Lei nº 1283 de 18 de dezembro de 1.950, regulamentado pelo decreto nº 30.691 de 29 de março de 1952, que dispõe sobre a inspeção industrial e sanitária dos produtos de origem animal, e dá outras providências; Explicação da Ementa: Permite que Estados e Municípios realizem a inspeção sanitária de produtos de origem animal; Situação: Aguardando Parecer do Relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC); relator atual: Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

2 PLS 336/2016; autor:  Dário Berger (PMDB-SC);  Natureza: Norma geral; Assunto: Econômico - agricultura, pecuária e abastecimento; Ementa e explicação da ementa: Institui a Política Nacional de Defesa Agropecuária; Explicação da Ementa: "Institui a Política Nacional de Defesa Agropecuária, com a finalidade de proteção do meio ambiente, da economia nacional e da saúde humana"; relator atual: Ronaldo Caiado (DEM-MT).

3 São obrigações institucionais da fiscalização agropecuária promovida pelo Poder Público (Decreto 5.741/2006, art. 1º, § 3º, I, II, III, IV e V) a promoção da  vigilância e defesa sanitária vegetal; vigilância e defesa sanitária animal; inspeção e classificação de produtos de origem vegetal, seus derivados, subprodutos e resíduos de valor econômico; inspeção e classificação de produtos de origem animal, seus derivados, subprodutos e resíduos de valor econômico e fiscalização dos insumos e dos serviços usados nas atividades agropecuárias.

 

Notícias vinculadas

7-12-2018 - Global Meat News & AHDB poll reveals UK's lack of appetite for treated meat imports [Over half of the UK public have admitted that they would buy less meat from supermarkets if hormone-and chlorine-trated products were introduced in a post-Brexit deal, according to an Agriculture & Horticulture Development Board (AHDB) survey] 

15-11-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & EUA: trabalhadores dos frigoríficos de frango temem ferimentos e o USDA/FSIS quer mais rapidez na linha de produção e privatização [Nos EUA, o aumento da velocidade na linha de produção de 140 para 175 aves por minuto nos frigoríficos de frango reverteria os esforços dos defensores dos trabalhadores e do bem-estar animal. Além do aumento da velocidade na linha de produção, o USDA/FSIS propõe a privatização da fiscalização pública de produtos de origem animal]

12-11-2018 - Farmers Guardian & Poultry sector wants to invest but UK farmers 'petrified' of trade deal with US [Preparing for the future was the key theme at the Egg and Poultry Industry Conference this week in Newport, South Wales.  And farmers were 'petrified' by the idea of a trade deal with the US which let in chlorinated chicken, according to NFU poultry board chairman Thomas Wornham]

26-10-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Segurança alimentar: alimentos inseguros custam US$ 110 bilhões por ano aos países de baixa e média renda [Estudo do Banco Mundial: seu economista agrícola líder e co-autor do estudo, Steven Jaffee, afirmou que os governos dos países de baixa e média renda — caso do Brasil, citado nesse estudo — precisam ser mais inteligentes para investir em segurança alimentar e monitorar o impacto das intervenções que fazem & Food security: Unsafe food costs US $110 billion per year to low and middle-income countries & World Bank Study: it´s leading agricultural economist and co-author, Steven Jaffee, said the governments of the low-and middle-income countries — the case of Brazil, cited in this study — need to be smarter to invest in food security and Monitor the impact of interventions that make]

4-10-2018 - Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro) & Inspeção privada em indústrias ainda não decola no RS, diz reportagem do jornal Zero Hora

30-9-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Fiscalização de produtos de origem animal do Paraná: MAPA presta esclarecimentos à Afisa-PR [As opções de "gestão pública" em detrimento de parte da fiscalização de produtos de origem animal do governo do Paraná são equivocadas e possuem potencial para colocar em risco a segurança alimentar da população paranaense: o governo Richa nomeou o staff comissionado em turno para o órgão de fiscalização agropecuária do estado; o governo Borghetti o manteve]

28-9-2018 - Food & Water Watch & USDA To Allow Line Speed Increase from 140 to 175 Birds Per Minute Under Privatized Inspection Model ["Industry has been pressuring the Trump Administration to lift the line speed cap and to privatize inspection. This is a big industry win and a big loss for food safety."]

18-9-2018 - Food & Water Watch & Privatized Inspection Plants Still Turning Out More Contaminated Chicken ["Some of the big players in poultry processing have chosen to go down the deregulation route, and it appears that they cannot be trusted to police themselves"]

28-7-2018 - The Intercept Brasil & Algo no ar [Jessica adoeceu num abatedouro de aves. Agora ela expõe os problemas dos produtos químicos]

5-7-2018 - The Bureau of Investigative Journalism & Two amputations a week: the hign cost of working in a us meat plant [Amputations, burns and head trauma are just some of the serious injuries suffered by US meat plant workers every week, according to data analysed by the Guardian and the Bureau of Investigative Journalism. Records compiled by the Occupational Safety and Health Administration (OSHA) reveal that, there are on average 17 "severe" incidents a month in US meat plants. These injuries are classified as those involving "hospitalisations, amputations or loss of an eye"]

25-4-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Congressistas americanos repudiam a “autofiscalização” privada da carne! [O governo dos EUA atua há vários anos para tentar privatizar sua fiscalização de produtos de origem animal. O “modelo” privaticionista norte-americano chama-se Inspection Models Project, que preconiza a instalação de alguns “frigoríficos piloto” de suínos e de aves  para “operar” sob o binômio Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle  e avaliação/monitoramento do USDA e FSIS. E no Brasil?? A União Europeia (EU) bloqueou a carne brasileira e entre as inconformidades apontadas em seu Relatório de Auditoria está a inconstitucional e ilegal “autofiscalização” privada da carne!]

22-3-2018 - Greenpeace & Para agronegócio, brasileiro ainda é consumidor de segunda categoria [Novo escândalo no setor de carne expõe a fragilidade dos frigoríficos em garantir produção livre de desmatamento e irregularidades – e quem paga é o consumidor]

s/d - Food Integrity Campaign & Chemical Hazards in Meat and Poultry Processing [It is routine industry practice to use chemicals to reduce pathogens in meat products, and in poultry products particularly. FIC finds, however, that use of these chemicals can cause more harm than good. America’s meat processing plants are dangerous workplaces, with an injury rate about five times higher than the national average. Fast line speeds, poor lighting, crowded workspaces and dangerous equipment contribute to the unsafe conditions in these facilities. But whistleblowers have shed light on a lesser-known health hazard that plant workers struggle with every day: the heavy use of chemical disinfectants that harm workers, and maybe consumers]

21-8-2017 - Food Safety Newx & Former USDA officials say feds critically short of veterinarians [Veterinarians' groups predict shortage of highly educated staff will decrease U.S. food safety] (por Cookson Beecher)

31-10-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326: Modus operandi importado? [É necessário dar um rotundo não ao inconstitucional e prejudicial PLS 326!]

19-6-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Inspeção privatizada de carne avícola nos EUA: A verdade sobre a chocante 'norma do frango' [Segurança alimentar: A chocante 'norma do frango' nos EUA! & É isso que certas autoridades querem impor ao Brasil?]

18-6-2016 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR)EUA: revelados os tenebrosos bastidores da privatização da inspeção do abate de aves [Nos EUA os tenebrosos bastidores da "inspeção" privatizada do abate de aves! & É esse "modelo" que as certas autoridades e parlamentares querem impor à população brasileira?] 

16-6-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & EUA: 60 congressistas pedem que o USDA/FSIS atrase a nova regra de 'fiscalização' privada da carne suína [Saúde pública e segurança alimentar: congressistas norte-americanos pedem moratória contra a privatização da fiscalização pública da carne suína]

26-5-2016 – Food & Water Watch & The Dirty Truth about the Filthy Chicken Rule [More and more poultry comes from plants with very little government inspection. How can you be sure you’re serving poultry that’s safe to eat?]

20-1-2016 - Food Safety News & Sixty Democrats ask Vilsack to delay new hog slaughter rule [Sixty liberal and mostly urban congressional Democrats have weighed in with their opinions about making bacon, telling the U.S. Secretary of Agriculture to further delay expansion of the 20-year old hog Hazard Analysis and Critical Control Point-based Inspection Models Project (HIMP) pilot program]

23-11-2015 - Food & Water Watch & New Documents Reveal Major Flaws in Nation’s Food Safety Inspection System [Records obtained by Food & Water Watch show that food safety inspectors are overworked, and it's threatening our nation's food supply]

1-9-2015 - Food & Water Watch & Is FSIS Rewarding Past Bad Actors With Less Oversight? [We are about to enter a new and critical phase in the implementation of the New Poultry Inspection System (NPIS). NPIS will reduce the number of USDA inspectors in poultry slaughter facilities by removing most of them from the slaughter lines, turning their responsibilities over to company employees to perform]

 

Veja também o  Facebook da Afisa-PR e   @AFISAPR da Afisa-PR