Imagem - Contêiner de responsabilidade da Adapar instalado na na Rodovia PR 182, km 1, no Município de Diamante do Norte-PR, região de fronteira com o Mato Grosso do Sul – sob os fios de alta tensão da Usina Hidrelétrica de Rosana

 

Afisa-PR contesta instalação de latões

 

A Afisa-PR - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná critica os contêineres instalados pelo governo na fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos.

Para a Afisa-PR esses contêineres são insalubres e afetam as condições de trabalho dos servidores da defesa agropecuária do estado, pois não  possuem conforto térmico (não há sistema de ar condicionado), adequadas condições higiênico-sanitárias, entre outras deficiências.

O uso de contêineres tem a intenção de minimizar o desmantelamento do sistema de fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados, visto que o governo desativou dezoito (18) de sues postos fixos, e dos quinze (15) que restaram, apenas um (1), o de Santo Inácio, na região de Maringá, opera em boas condições de fiscalização.

Um dos contêineres, por exemplo, foi instalado embaixo dos fios de alta tensão da Usina Hidrelétrica de Rosana (localizada entre os municípios de Rosana-SP e Diamante do Norte-PR), situação que põe em risco a saúde e a integridade física dos servidores da defesa agropecuária. 

Além do mais, os contêineres instalados pelo governo não atendem satisfatoriamente à fiscalização do trânsito animal, vegetal e seus produtos derivados, pois (i) não possuem área coberta, ao lado da via que permite acesso ao território do estado, que abrigue os veículos transportadores de animais, vegetais e seus produtos derivados objetivos de fiscalização agropecuária, com rampa de acesso que possibilite efetiva fiscalização (contagem de animais transportados, p. ex.), deficiência agravada nos dias de chuva, pois as cargas de interesse não são fiscalizadas; (ii) a fiscalização do trânsito agropecuário não é feita durante à noite, devido à deficiência de iluminação; (iii) não há áreas de escape adequadas e seguras para abordagem dos veículos transportadores, ao lado da pista com destino (ou em trânsito) ao território paranaense; (iv) deficiência no quadro de assistentes de fiscalização da defesa agropecuária que impede a formação de adequados turnos de trabalho, entre outras deficiências.

Para a Afisa-PR, a manutenção de eficiente sistema de postos de fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados não é opção do estado, mas sim, uma obrigação regulamentada pelo Decreto nº 5.741/2006, que define que as regras gerais e especificas do SUASA - Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária. O desmantelamento em prejuízo desse sistema nas regiões de fronteira do Paraná, inegavelmente, impede a adequada promoção da saúde animal, da sanidade vegetal, prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas causadoras de danos à produtividade animal, à produtividade vegetal, à economia e à sanidade agropecuária do estado e, por consequência, do país. A falta de sistema adequado para atender a fiscalização do trânsito agropecuário nas regiões de fronteira é fator limitante que dificulta ou impede que o Estado do Paraná conquiste (e, sobretudo, mantenha) a condição de área livre de febre aftosa sem vacinação ou de peste suína clássica.

A Afisa-PR protocolou carta ao delegado brasileiro na OIE - Organização Mundial da Saúde Animal solicitando providências contra essa situação.  Na carta ao delegado, a Afisa-PR requer que o MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento intervenha e cumpra suas obrigações institucionais, para que o governo estadual construa, conforme a obrigação prevista no Decreto nº 5.741/2006, adequado sistema de fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados ao longo das fronteiras paranaenses.

 

Veja também o   Facebook da Afisa-PR