Afisa-PR

Problemas de segurança alimentar: EUA interrompem a importação de carne bovina in natura do Brasil

Antes mesmo da Operação Carne Fraca, a Afisa-PR já tinha alertado para essa situação com base no relatório da auditoria realizada pelo USDA/FSIS sobre o sistema de fiscalização da carne do Brasil 

 

Brazilian beef imports

 

Segundo a notícia Os Estados Unidos suspenderam nesta quinta-feira todas as importações de carne fresca do Brasil do Sputnik de 22 de agosto de 2017, em razão de "recorrentes preocupações sobre a segurança dos produtos destinados ao mercado local", os EUA suspenderam todas as importações de carne fresca do Brasil, conforme um comunicado do U. S. Department of Agriculture (USDA). 

Em março deste ano, o USDA/FSIS implementou várias medidas para avaliar as condições dos produtos importados do Brasil, motivado principalmente pelos reflexos da deflagração da Operação Carne Fraca no país, que apontou irregularidades em alguns frigoríficos brasileiros.

"O FSIS (serviço de inspeção e segurança de alimentos) recusou a entrada para 11% dos produtos brasileiros de carne fresca. Esse valor é substancialmente superior à taxa de rejeição de 1% das remessas do resto do mundo. Desde a implementação do aumento da inspeção, o FSIS recusou a entrada para 106 lotes de produtos bovinos brasileiros devido a problemas de saúde pública, condições sanitárias e problemas de saúde animal. É importante notar que nenhum dos lotes rejeitados chegou ao mercado norte-americano".

 

Os alertas da Afisa-PR

Em agosto de 2015, na matéria FSIS/USDA dos EUA aponta falhas significativas na inspeção de produtos de origem animal no Brasil, a Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR), antes mesmo da deflagração da Operação Carne Fraca, já tinha alertado para esse problema, tendo como base o relatório de auditoria Brazil Final Audit Report de janeiro de 2014, do Food Safety and Inspection Service (FSIS) do USDA, que tinha apontado "significativas falhas na inspeção de produtos de origem animal" no Brasil contra a segurança alimentar. 

Os auditores norte-americanos alegaram nesse relatório de auditoria que o sistema brasileiro de inspeção da carne "foi reprovado", pois não possuía equivalência com o sistema adotado pelos norte-americanos nos seguintes pontos: (i) é falho; (ii) não consegue implantar adequadamente a Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC); (iii) documentação auditada deficiente e inconsistente; (iv) há "contaminação cruzada" de carcaças bovinas (isentas de contaminação por Escherichia coli e coliformes fecais); (iv) falhas nos Pontos Críticos de Controle (PCCs), algo que "assustou os auditores" norte-americanos; (v) falho PCC químico (averiguação de resíduos de medicamentos) e (vi) um ponto muito negativo, a falta de fiscais agropecuários públicos com poder de polícia administrativa na fiscalização da carne em frigoríficos. 

Para a Afisa-PR a única saída para recuperar os mercados internacionais da carne é o fortalecimento da fiscalização agropecuária pública, tornando-a real, autônoma, plena e de excelência e com a valorização e justiça remuneratória do fiscal agropecuário público.

Para a Afisa-PR, a privatização da fiscalização agropecuária pública, como intenciona o projeto de lei do Senado 326/2016, cuja aprovação é fomentada por um lobby integrado por certos segmentos representados por parlamentares, autoridades governamentais (vinculadas às esferas estaduais de defesa agropecuária), lideranças e entidades patronais e empresariais, potencializará exponencialmente a gravidade da atual situação, visto que a União Europeia (UE) não aceita que empregados de frigoríficos (mesmo auditados por fiscais agropecuários públicos) "atuem" na "fiscalização" de produtos de origem animal. 

O PLS 326 de 2016, além de privatizar a fiscalização agropecuária pública pelo binômio "credenciamento privado"  e auditoria pública, absurdamente almeja também privatizar sem qualquer critério aceitável o Decreto 5.741/2006 que organiza e assenta em um modelo público o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA).

Modificado em 5-12-2018 em 09:42

 

Veja também:

1 - [PDF] Brazil 2015 Final Audit Report

www.fsis.usda.gov/wps/wcm/connect/d0c646c1-cc80-4540-b3df-01da1d9e9040/Brazil-2015-FAR.pdf?MOD=AJPERES

final report of an audit conducted in . brazil november 9 – 20, 2015 evaluating the food safety system governing the production of meat products

2 - USDA/FSIS - Brazil - Eligible Plants Certified to Export Meat to the United States, June 23, 2017

 

Matéria relacionada:

26-10-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Segurança alimentar: alimentos inseguros custam US$ 110 bilhões por ano aos países de baixa e média renda [Estudo do Banco Mundial: seu economista agrícola líder e co-autor do estudo, Steven Jaffee, afirmou que os governos dos países de baixa e média renda — caso do Brasil, citado nesse estudo — precisam ser mais inteligentes para investir em segurança alimentar e monitorar o impacto das intervenções que fazem & Food security: Unsafe food costs US $110 billion per year to low and middle-income countries & World Bank Study: it´s leading agricultural economist and co-author, Steven Jaffee, said the governments of the low-and middle-income countries — the case of Brazil, cited in this study — need to be smarter to invest in food security and Monitor the impact of interventions that make]