NOTÍCIAS DA AFISA-PR

Opinião da DIREX: Os bastidores nada republicanos

 

 

Afisa-PR

Opinião da DIREX: Os bastidores nada republicanos

Os grotescos bastidores nada republicanos de uma atividade exclusiva e típica de Estado, indelegável ao setor privado e que deveria ter como obrigação institucional a preservação do interesse público em benefício da população

 

Os desdobramentos da Operação Carne Fraca revelam os grotescos bastidores nada republicanos de uma atividade exclusiva e típica de Estado, indelegável ao setor privado e que deveria ter como obrigação institucional a preservação do interesse público em benefício da população.

Para a Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR), não é possível que a fiscalização agropecuária promovida pelo Estado continue a ser degradada e desmoralizada pela crescente ingerência do setor privado e da política partidária (entenda-se estruturas comissionadas com deveres de lealdade e confiança para com governos que transitam o poder).

Em tempos neoliberais (preferência pelos mercados em vez do Estado) convivemos com o Fator Destruição do serviço público: as decisões são tomadas em desarmonia com o interesse público, em atrelamento às boas relações (parceria entre as estruturas comissionadas - com deveres de confiança e lealdade para com governos que transitam o poder - com os setores privado e político partidário) e aos poderes econômico e político partidário. Explica-se, portanto, a degradação e desmoralização de um setor que deveria preservar integralmente seu caráter autônomo e cumpridor de seus objetivos e obrigações institucionais em estrita observação ao Estado de Direito.

Para a Afisa-PR, todos os cargos de confiança com deveres de confiança de lealdade para com governos que transitam o poder deveriam ser extintos nos três âmbitos da fiscalização agropecuária, e substituídos por funções gratificadas em ambiente de plena valorização da ética, eficiência e competência profissional.

Leia mais...

Opinião da DIREX: "Fim da vacinação: um caminho sem volta"

 

 

Afisa-PR

Opinião da DIREX: "Fim da vacinação: um caminho sem volta"

O suscitado "caminho sem volta" poderá significar o contrário, ou seja, a volta da febre aftosa em nosso território

 

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR), com base nos conteúdos dos artigos "Fim da vacinação: um caminho sem volta" e "Declarar o Paraná área livre da aftosa sem vacinação é um estímulo à economia", espera que o marco legal (Lei 17026/2011) definidor das atividades institucionais permanentes da fiscalização agropecuária deste estado, que também são submetidas ao escrutínio de legislação mandatária superior (Decreto 5.741/2006), não tenha "mudado" seu eixo. 

A Afisa-PR também espera que o cogitado "fim da vacinação contra febre aftosa" não seja estabelecido mediante canetaço, com o propósito de atender momentânea demanda da política partidária ou subjetividades alheias às inalienáveis legalidade e tecnicidade inerentes à fiscalização agropecuária estatal.

Leia mais...

Agrotóxicos: Brasil usa quantidade até 5 mil vezes maior que a Europa

 

Arte crédito: Repórter Brasil & Marco Vergotti

 

Repórter Brasil

Agrotóxicos: Brasil libera quantidade até 5 mil vezes maior do que Europa

Oito brasileiros se intoxicam com agrotóxicos por dia devido à permissividade da lei brasileira, aponta estudo inédito

Por Thais Lazzeri

 

O debate sobre o uso de agrotóxicos ganhou um novo capítulo, e ele não é bom para o Brasil. Estudo inédito revelou o abismo que existe entre a legislação brasileira e a da União Europeia sobre o limite aceitável de resíduos na água e nos alimentos. A contaminação da água é o que mais chama a atenção, com a lei brasileira permitindo limite 5 mil vezes superior ao máximo que é permitido na água potável da Europa. No caso do feijão e da soja, a lei brasileira permite o uso no cultivo de quantidade 400 e 200 vezes superior ao permitido na Europa.

Esses são os resultados do estudo Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, da pesquisadora Larissa Mies Bombardi, do Laboratório de geografia Agrária da Universidade de São Paulo. “Infelizmente, ainda não é possível banir os agrotóxicos. Por isso, é importante questionar por que o governo brasileiro não usa parâmetros observados no exterior”, afirma Bombardi, para quem a permissividade em relação à água “é uma barbárie”. Enquanto a União Europeia limita a quantidade máxima que pode ser encontrada do herbicida glifosato na água potável em 0,1 miligramas por litro, o Brasil permite até 500 vezes mais.

Leia mais...

Uso de agrotóxicos no Brasil e sua conexão com a União Europeia

 

 

De Olho nos Ruralistas

Europa compra do Brasil comida produzida com agrotóxicos que ela proíbe

Atlas lançado na Geografia-USP mostra que país exporta alimentos com pesticidas banidos pela UE; 27 países importam café regado com 30 venenos que eles vetam

Por Alceu Luís Castilho

 

O Brasil exportou para 16 países da Europa mais de 13 milhões de toneladas de soja em 2016. Em grão, triturada, óleo ou farelo. Essa soja foi produzida com nada menos que 150 agrotóxicos diferentes. Detalhe: 35 deles são proibidos na União Europeia. Holanda, Alemanha, Espanha e França foram os principais importadores.

Os dados constam de pesquisa que está sendo lançada nesta segunda-feira (27/11) pelo Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo (USP). A professora Larissa Mies Bombardi vem trabalhando os dados há anos, no Brasil e no Reino Unido. E os apresenta em forma de mapas.

Leia mais...

DESTAQUES DA AFISA-PR

Vídeo 13/2017 da presidência da Afisa-PR

 

Parte 1 - https://www.youtube.com/watch?v=uAfK1AEvuPQ

Parte 2 - https://www.youtube.com/watch?v=okAv9z-v4Ok 

 

Neste vídeo, a Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) presta aos filiados alguns esclarecimentos sobre o "Caso Ractopamina", que deflagrou o embargo temporário do Serviço de Supervisão Veterinária e Fitossanitário da Rússia (Rosselkhoznadzor) contra a carne bovina e suína do Brasil. Para a Afisa-PR esse embargo não se limita à ocasional deficiência de prestação de serviço público. Trata-se de uma conjuntura muito mais complexa visto que a imposição da falida doutrina neoliberal no país implica na destruição do serviço público, obviamente, com adversas consequências à fiscalização agropecuária tutelada pelo Estado, que tende a perder sua capacidade de efetiva intervenção sobre suas obrigações institucionais. A Afisa-PR trata neste vídeo de algumas das questões suscitadas pelo Rosselkhoznadzor para impor o embargo temporário contra à carne bovina e suína do Brasil; providências que são tomadas pela Rússia para substituir a importação da carne bovina e suína do Brasil; medidas privaticionistas em curso contra a fiscalização agropecuária tutelada pelo poder público (PL 334/2015 e PLS 326/2016); proposta oficial para a reestruturação da inspeção de produtos de origem animal entre outros temas.

Leia mais...

Vídeo 12/2017 da presidência da Afisa-PR

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=05P5HjWBOtg

 

Vídeo 12/2017 Neste vídeo, a Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) revela a verdade contida nos autos do Judiciário estadual vinculados ao constitucional afastamento [biênio 2014/2015 e triênio 2016/2018] de servidor público do exercício do seu cargo para fins de mandato classista. Sabe-se que são disseminadas inverdades sobre esse constitucional direito, claro claro objetivo de prejudicar os justos e legítimos esforços associativos para que possamos contar com democracia, ética, respeito profissional e justiça remuneratória. Desta forma, este vídeo é importante para estabelecer a verdade entre a categoria representada. A verdade é corroborada nos autos do Judiciário do estado, portanto, ela é inequívoca e inconvertível. Vejam, por favor, os seguintes documentos (links) comprobatórios: 1 - https://goo.gl/ZS38f4 2 - https://goo.gl/DQDyDv 3 - https://goo.gl/MgwSAV 4 - https://goo.gl/rabV7V 5 - https://goo.gl/WjGPMQ 6 - https://goo.gl/6bkEA7 7 - https://goo.gl/ycnN4M 8 - https://goo.gl/YGhXr4 9 - https://goo.gl/J7C8uN 10 - https://goo.gl/c2GJQ2 11 - https://goo.gl/ZjTDnK 12 - https://goo.gl/kTebXD 13 - https://goo.gl/j7o4mj

Vídeo 11/2017 da presidência da Afisa-PR

 

https://www.youtube.com/watch?v=b3ajjbF-dNs&t=141s

 

Neste vídeo, a presidência da Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) discute, entre outros temas, o abaixo-assinado subscrito por sindicatos ruralistas patronais, sociedades rurais, associações, entidades, cooperativas e pessoas físicas.

Leia mais...

Vídeo 10/2017 da presidência da Afisa-PR

 

https://www.youtube.com/watch?v=HVdkYawtobs

 

Neste vídeo, a presidência da Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) discute os termos da entrevista concedia pelo secretário da Fazenda do governo de turno à Gazeta do Povo no último dia 26 (https://goo.gl/ZinvJi e https://goo.gl/gCcJAf). A presidência da Afisa-PR também trata do tramite da proposta de alteração da lei da carreira própria e Recurso Extraordinário (RE) no âmbito do STF que suspende processos sobre revisão anual de servidores públicos.

Leia mais...

Vídeo 9/2017 da presidência da Afisa-PR

 

https://www.youtube.com/watch?v=_YhUdMmTC88&feature=youtu.be

 

Vídeo 9/2017 Este vídeo, da Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR), melhor contextualiza a questão da progressão horizontal por antiguidade, entre referências, que a princípio suscitou preocupação entre a categoria. A comparação entre as tabelas vigentes e propostas (https://goo.gl/4yi9A5), permite interpretar que as tabelas propostas pelo governo preveem interníveis de dois anos (à exceção da progressão da C1 para C2), com internível de no mínimo três por cento, logo, em tese, não haverá prejuízo da progressão horizontal por antiguidade interníveis.

Este vídeo também é divulgado no Destaques da Afisa-PR (https://goo.gl/fGTdtr).