Afisa-PR

Opinião da Direx: peste suína africana (PSA) fora de controle?

Com o aumento da velocidade da batalha global contra a PSA, setores da iniciativa privada vinculados aos negócios da agropecuária e os governos de passagem pelo poder não deveriam contar apenas com a sorte...

Opinion of Direx: African swine fever (PSA) out of control? & With the speeding up of the global battle against ASF, sectors of the private initiative linked to the agribusiness business and the governments of passage by the power shouldn't rely on luck...

 

Crédito imagem: Reuters/Aly Song

 

O vírus da PSA tem viajado muito

Na China, mais surtos de peste suína africana (PSA) continuam sendo notificados. Até agora são 11 surtos em 6 províncias diferentes. O último relatório que chegou à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) é sobre um surto em uma fazenda de quintal na cidade de Jiamusi, próxima da fronteira com a Rússia. Uma confirmação da PSA em Heilongjiang significa a confirmação de que seu vírus viajou mais de 3.000 quilômetros somente na China. Há pouco mais de um mês, a PSA era desconhecida em toda a Ásia. Como consequência do crescente número de surtos de PSA, o transporte de suínos e seus produtos derivados foram proibidos nas províncias chinesas infectadas — todo serviço público satisfatório em vigilância e defesa sanitária animal, obviamente, deve contar com um eficiente sistema de controle do trânsito de animais e seus produtos derivados.

A PSA na China foi detectada em localidades separadas por mais de 1.000 quilômetros, fato que significa que esta doença poderá se espalhar ainda mais. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) alega que não há vacina eficaz para proteger os suínos da PSA, que apresenta surtos em suas formas fatais mais virulentas em 100% dos animais infectados. A FAO também alega que sua detecção e dispersão geográfica na China aumentou os temores que se disseminará para além das fronteiras deste país para os países vizinhos, inclusive, para a Península Coreana, onde o comércio de suínos e o consumo de seus derivados são altos.

Diante da gravidade da situação, a FAO se encontra em reunião de emergência de três dias para examinar o caso da disseminação da PSA com a finalidade de propor um plano regional à ameaça de sua disseminação pela Ásia. A FAO convocou especialistas — epidemiologistas veterinários e especialistas laboratoriais, além de outros profissionais experientes, diretamente envolvidos com aspectos regulatórios de prevenção de doenças e planejamento de controle — dos países Camboja, China, Japão, o Laos, Mongólia, Mianmar, Filipinas, Coreia do Sul, Tailândia e Vietnã, todos com proximidade geográfica com a China e tidos como em risco de "conflito transfronteiriço" para a disseminação da PSA.

 

PSA dissemina-se pela Europa

A PSA foi também confirmada pela primeira vez na Bulgária. No dia 31 de agosto, as autoridades búlgaras relataram esta doença em sete suínos de quintal em uma fazenda perto da fronteira com a Romênia, outro país onde foram confirmados centenas de casos de PSC. A Bulgária é o oitavo país da União Europeia (UE) atacado pela PSA onde esta doença foi detectada, desde que seu vírus começou a se espalhar em 2007 entre a Armênia e a Geórgia. Na UE, o vírus também surgiu na Letônia, Lituânia, Estônia, Polônia, Hungria, Romênia e República Checa.

Na Romênia, a PSA foi confirmada na sua maior fazenda de suínos, onde 140.000 animais tiveram que ser sacrificados.

 

PSC no Japão

Pela primeira vez em 26 anos, um surto de peste suína clássica (PSC) foi encontrado no Japão. A presença da doença viral, também conhecida como hog cholera, foi confirmada pelo Ministério da Agricultura japonês. Como resultado, o país suspendeu as exportações de carne de porco e javali.

Segundo o site Channel News Asia, as autoridades japonesas abateram 610 animais depois que 80 porcos morreram. Dentro de 24 horas, a fazenda também foi desinfetada. O site acrescentou que o Japão, em 2017, vendeu cerca de US $ 9 milhões em carne suína in natura para mercados estrangeiros.

Até agora, não se sabe como o vírus pode ter entrado no país.

 

EUA em alerta contra a PSA

A indústria de carne suína dos EUA alertou que a PSA pode custar U$ 8 bi em prejuízos somente no primeiro ano. Representantes da indústria da carne suína, após a disseminação da PSA na China, se reuniram para discutir quais as formas de se impedir que essa doença chegue às costas do EUA. O National Pork Board, o National Pork Producers Council (NPPC), a American Association of Swine Vererinarians (AASV), o Swine Health Information Center (SHIC) e o U. S. Departament of Agriculture (USDA) prometeram melhorar seus esforços para ajudar a manter os EUA livres da PSC e de todas as demais doenças de animais mundo afora. Isso inclui a prioridade nos cuidados na importação de ingredientes à fabricação de ração, que nos norte-americanos consideram uma área chave de alto risco potencial para o transporte e introdução de doenças que afetam os animais.

Um economista da Iowa State University estimou que as perdas causadas pela introdução da PSC nos EUA podem chegar a US$ 8 bi para a indústria da carne somente no primeiro ano, o que não inclui perdas de US$ 4 bi e US$ 1,5 bi para as outras cadeias de produção afetadas, como o milho e a soja.

 

E o Paraná?

O Paraná, em meados de 2016, foi reconhecido pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) como área livre de peste suína clássica (PSC). Ocorre que em meados de 2015, portanto, antes desse reconhecimento, o Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR) tinha instaurado um inquérito civil  para investigar a atuação governamental, ou seja, se era efetivamente cumprido os termos do art. 28-A, §3º, inciso I, da Lei 8.171/1991, na promoção da vigilância do trânsito interestadual de vegetais e animais no âmbito do Estado do Paraná.

Em última análise, é legítimo concluir que a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) não considerou a real situação da fiscalização agropecuária pública do estado, principalmente a questão da vigilância do trânsito interestadual de animais e seus derivados, visto que admitiu que uma etapa desse processo fosse invertida, pois a lógica seria que primeiro o estado contasse com satisfatória vigilância do trânsito interestadual de animais e seus produtos derivados, para que pudesse sustentar, ao longo dos anos subsequentes, sua condição de área livre de PSC.

O setor privado vinculado aos negócios da agropecuária deveria exigir que o Poder Público mantivesse uma fiscalização agropecuária autônoma, plena e de excelência — não subdesenvolvida pelas notórias interferências e ingerências exercidas por certos setores da política partidária e da própria iniciativa privada —, pois esta atividade do serviço público confere credibilidade e confiabilidade aos produtos da agropecuária e da sua eficiência depende o sucesso dos seus milionários negócios.

Em fiscalização agropecuária pública não se admite a carroça na frente dos bois, ou seja, é uma imprudente ilusão achar que "os negócios da agricultura aumentarão" apenas com a desgraça alheia. A desgraça que hoje assola a China e parte da Europa pode muito bem logo mais se instalar nestas terras em decorrência de uma fiscalização agropecuária pública negligenciada. É prudente, primeiro, olhar para os problemas existentes no próprio quintal.

Os agricultores, os verdadeiros prejudicados, também deveriam começar a observar melhor o comportamento de suas lideranças que, ao invés de exigirem uma fiscalização agropecuária pública autônoma, plena e de excelência, preferem o "surfe político partidário" na marola imaginária de "serviço de 1º mundo" propagandeado por governos de passagem pelo poder.

 

Em julho de 2018, o MPPR arquivou o Inquérito Civil MPPR-0046.15.044039-7

O Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR), entre outras coisas, pela necessidade de investigar a autarquia de fiscalização agropecuária do estado, chegou a instaurar o Inquérito Civil MPPR-0046.15.044039-7, porém, sob a alegação da "continuidade normal das atividades de fiscalização do trânsito agropecuário" optou pelo arquivamento do procedimento.

O extraordinário é que, em oposição à justificativa de arquivamento do Inquérito Civil em questão, a notícia Execução do programa de prevenção da aftosa está em dia e PR deve suspender vacina do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) de 5 de dezembro de 2018, informa que "O Paraná deve antecipar de 2021 para maio do ano que vem a retirada da vacinação contra a febre aftosa, se resolver pequenas inconformidades verificadas, como a necessidade de melhorias em postos fiscais". 

E surpreende o fato que a autarquia de fiscalização agropecuária do Paraná informa oficialmente em seu portal oficial na internet, "Localização dos Postos de Fiscalização do Trânsito Agropecuário" — situação em 2017 — que "existem" 33 postos físicos de fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados, porém, o Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR) relata o contrário em seu despacho de 21 de junho de 2018: "O relatório de fl. 463 demonstra que atualmente existem no Estado do Paraná vinte PFTA em funcionamento, e outras dez, funcionando em status 'compartilhado'". 

A Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) tinha a expectativa de que o Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR) apurasse as condições atuais do "sistema de fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados" da autarquia de fiscalização agropecuária e a obrigasse a conformar as eventuais não conformidades à legislação mandatária superior.

 

Área livre de PSC, exportação de carne suína e a terrível lição vinda da Rússia

O reconhecimento de área livre de peste suína clássica (PSC), entusiasticamente comemorado tanto pela iniciativa privada como pelos governos, possibilitou um pequeno "surfe político partidário" na marola imaginária de que esta condição rapidamente "ampliaria o volume de exportação da carne suína produzida" no país ou no estado. Nada mais efêmero e contrário à realidade. O que sucedeu foi justamente o contrário: a perda do significativo mercado de carne da Rússia!

O Brasil respondia por 90% da carne suína importada pela Rússia. Hoje, por culpa do cloridrato de ractopamina (substância proibida na Rússia), corresponde a 0%! E nenhuma autoridade, certamente apoiada pela iniciativa privada vinculada aos negócios da agropecuária, foi, é ou será responsabilizada por este extraordinário prejuízo.

 

E o Brasil?

Neoliberalismo, "estado" mínimo, "ajuste fiscal", falta de investimento público, descaso, privatização e terceirização em prejuízo da fiscalização agropecuária pública, desvalorização dos seus fiscais agropecuários etc., são as melhores portas de entrada para o retorno da PSA e de outras terríveis doenças dos animais. Com o aumento da velocidade da batalha global contra a PSA — em 5 de dezembro de 1984 o Brasil conseguiu erradicar esta doença, e foi declarado livre dela —, setores da iniciativa privada vinculados aos negócios da agropecuária e os governos de passagem pelo poder não deveriam contar apenas com a sorte.... O vírus da PSA não respeita certificado de área livre de PSC.

 

Foco de PSC no Brasil

No dia 8 de outubro de 2018, as autoridades brasileiras notificaram à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) a ocorrência de um foco de peste suína clássica (PSC). Segundo esclarecimentos prestados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) existe um foco de PSC no município de Forquilha no Ceará, em Zona Não Livre desta doença. O diagnóstico foi feito no Lanagro/MG por RT-PCR.

Segundo a notícia 10 Key questions about the risk of ASF do Pig Progress de 8 de outubro, a peste suína africana (PSA) entrou na Europa Ocidental assim como na China, situação que causa nervosismo entre os profissionais de suínos em todo o mundo. O editor do britânico Pig Progress, Vincent ter Beek, em 10 questões-chave sobre o risco de PSA, na tentativa de deixar claro onde estão os riscos reais. As 10 questões-chave são baseadas nas respostas dadas por especialistas em PSA de vários países e colaboraram para uma resumo e visão geral da situação.

Um exemplo: A PSA está relacionada com a peste suína clássica (PSC)? Em termos de sinais clínicos, a PSA se parece muito com o seu homônimo. A doença apresenta febre, embotamento, dificuldade respiratória, vômitos, tosse, secreção nasal e ocular (conjuntivite), hemorragias na pele e morte em uma a duas semanas. Uma diferença entre os vírus é que o PSC pode causar sinais neurológicos, enquanto a PSA pode levar à diarreia sanguinolenta. Normalmente, é preciso de um laboratório para descobrir qual dos dois vírus causou a doença. 

Os vírus causadores não estão relacionados, no entanto, o da PSC é um vírus de RNA, enquanto o da PSA é um vírus de DNA grande e complexo. Para o da PSC, existem vacinas. Para o da PSA, não há vacina disponível.

A situação de momento (18 de outubro) no Brasil com relação ao surto de PSC está disponível no Follow-up report nº 1 da OIE.

 

É real a disseminação das pestes suínas africana e clássica "por via aérea"!

Fiscalização agropecuária que quer se levada a sério restringe qualquer perigo que pode estar nas bagagens de passageiro. O que aconteceu no Japão, uma ilha, nada significa?  No Brasil, se faz o contrário, como comprova a Instrução Normativa nº 11, de 10 de maio de 2016, do Ministério da Agricultura — ato que foi contestado pela Afisa-PR —, que autoriza "o ingresso no território nacional, dos produtos de origem animal destinados ao uso e ao consumo humano ou animal, classificados como não presumíveis veiculadores de doenças contagiosas". Ora, classificados como "não presumíveis"?

Com base na notícia "How easily can the swine fevers enter the USA?" do Pig Progress de 11 de setembro, com que facilidade as "febres suínas" podem entrar nos EUA? Essa é a preocupação por lá! A bagagem de qualquer passageiro que viaja por avião pode ser uma ameaça em relação à importação das pestes suína africana ou clássica? Pesquisadores dos EUA fizeram uma estimativa. O artigo científico apareceu on-line no jornal peer-reviewed Transboundary and Emerging Diseases. A peste suína clássica é mais conhecida nos Estados Unidos como "cólera do porco".

Nos EUA, por ano, 8.000 produtos derivados de carne suína são confiscados — os cientistas escreveram em seu artigo que, em média, 8.000 produtos derivados de carne suína são confiscados anualmente pelo serviço de alfândega Customs and Border Protection nos portos de entrada (POE, port of entry) dos EUA, como aeroportos internacionais, portos ou escritórios de correio. Estes produtos suínos com status sanitário desconhecido podem representar um risco para a introdução de doenças de animais estrangeiros nos EUA.

Este estudo teve como objetivo analisar o risco do vírus das pestes suína africana (ASFv) suína clássica (CSFv) ser introduzido nos EUA através de produtos derivados de suínos proibidos que são transportados por passageiros aéreos. Ambos os vírus ocupam um lugar central nos dias de hoje, devido aos surtos atuais na China e na Europa Oriental (ASFv) e uma recorrência no Japão (CSFv).

Além disso, o estudo teve como objetivo identificar locais e períodos de tempo em maior risco onde e quanto medidas preventivas e de mitigação devem ser implementadas.

 

Bélgica: PSA no centro da Europa

Conforme a notícia "Belgium confirms cases of ASF in wild boar" do Pig Progress de 13 de setembro, a Bélgica confirmou o surto que envolve dois casos de peste suína africana (PSA) em sua população de javalis. É a primeira ocorrência conhecida da doença viral na Europa Ocidental desde que o vírus aterrissou na Geórgia e na Armênia em 2007.

A Federal Agengy for the Safety on the Food Chain (FASFC) da Bélgica — que abriga mais de 6 milhões de suínos — confirmou a PSC em dois javalis perto da aldeia belga de Étalle, na província sul do Luxemburgo. A aldeia está localizada em um local onde muitas fronteiras se encontram, mas onde há relativamente poucas fazendas de criação de suínos. O surto de PSC está a cerca de 20 km da fronteira francesa, bem como a 20 km da fronteira com o país Luxemburgo. A fronteira alemã está a 65 km.

Ainda não está claro até onde o vírus da PSA chegou no sul da Bélgica. O local conhecido mais próximo onde este vírus foi detectado em javalis é em torno de Zlín no leste da República Checa. Isso é aproximadamente 1.000 km para o leste. Na Bélgica, por enquanto, nenhuma fazenda de criação comercial de suínos foi encontrada infectada. A Bélgica já teve PSA, mas em 1985 erradicou esta doença viral.

Segundo a notícia "Call for urgent action as ASF hits Europe's heart" do Pig Progress de 14 de setembro, os países da Europa Ocidental reagiram com gravidade e urgência à descoberta da PSA em quatro javalis no sul da Bélgica. Todos eles exigem ação imediata.

Notícias preliminares falaram sobre dois javalis sendo infectados, mas o relatório oficial para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) inclui 4 casos. No total, 3 animais mortos foram encontrados com o vírus e um 4 º foi abatido em um local ligeiramente diferente.

As autoridades belgas encontraram os 4 javalis perto da aldeia de Étalle, no extremo sul do país. Esta é a zona francófona com muitas zonas rurais montanhosas, mas relativamente com poucas fazendas de suínos. O local está localizado na província belga de Luxemburgo, a cerca de 20 km da fronteira com o país com o mesmo nome, o grão-ducado de Luxemburgo. O javali infectado foi encontrado a 20 km da França.

Segundo a reportagem "Europe's farmers on red alert as deadly African swine fever spreads to Belgium" (por Daniel Boffey) do The Guardian de 14 de setembro, os agricultores europeus exigem o sacrifício em massa de javalis na tentativa de proteger a indústria de suínos depois que a PSA foi encontrada em dois javalis na cidade belga de Étalle. A descoberta da PSA, doença altamente contagiosa, em dois javalis que foram encontrados mortos perto da cidade de Étalle, em Gaume, provocou outro surto: o de pedidos por uma matança maciça de javalis na tentativa de proteger a indústria de carne suína da Europa Ocidental.

As autoridades holandesas e francesas foram colocadas em estado de alerta, enquanto o ministro da Agricultura da Bélgica, René Collin, ordenou a proibição da caça até meados de outubro, junto com restrições à movimentação de animais em um território de 63.000 hectares no sul do país. Os caminhantes foram solicitados a permanecer em trilhas e 67 fazendas estão sendo testadas em busca de sinais de um surto.

A PSA foi vista pela última vez na Bélgica em 1985 e que levou ao abate de 30.000 porcos. A descoberta da doença na segunda maior fazenda da Europa, na Romênia, no mês passado, resultou no abate de 140 mil animais.

 

Não é se, é quando! A mortal PSA se espalha pelo mundo!

Segundo a notícia "'It’s not if, it’s when': the deadly pig disease spreading around the worl" (por Hannah Devlin e Christian Davies) do The Guardian de 4 de setembro, a PSA chegou à China, lar de metade dos porcos do mundo. Agricultores na Estônia já estão contando o custo do prejuízo. Otto Saareväli, o proprietário de uma fazenda de porcos no condado de Lääne, na Estônia, está começando tudo de novo. Em setembro do ano passado, veterinários do governo diagnosticaram um surto de febre suína africana (PSA) em uma parte da fazenda onde as porcas prenhes eram mantidas antes de parirem os leitões. Não fazia diferença que o surto tivesse sido limitado a uma área - todos os 7.000 de seus porcos tiveram que ser imediatamente abatidos.

"Nós temos as medidas de biossegurança mais rigorosas aqui, e ainda ninguém sabe ao certo como essa doença entrou - pode ter sido um caminhão que não foi lavado adequadamente depois de visitar uma fazenda infectada", diz Saareväli. "Mas se você encontrar apenas um porco, [todos os porcos devem ser imediatamente sacrificados] então tudo tem que ir."

Na esteira do diagnóstico, a casinha usada para armazenar os porcos que foram mortos estava repleta com mais de 200 carcaças vindas da área afetada, algumas das quais estavam apodrecendo há mais de uma semana. Muitas das carcaças se abriram, derramando dezenas de leitões mortos. Todos teriam de ser removidos à mão, o que até mesmo alguns dos trabalhadores mais experientes de Saareväli não puderam fazer. Os milhares de porcos saudáveis restantes seriam carregados em caminhões especiais onde seriam gaseados. O processo de matança demorou um pouco mais de uma semana.

"Foi emocionalmente muito difícil para todos", diz Saareväli. "O pior foi o silêncio depois que o último porco foi atacado com gás. Fazendas de suínos são lugares barulhentos, mas aqui estava completamente silencioso".

Esta não é a primeira vez que a Europa é atingida pela PSC. Em 1957, foi introduzida em Portugal, alegadamente depois que uma alimentação de companhia aérea infectada foi destinada [como lavagem] para os porcos perto do aeroporto de Lisboa. A doença se espalhou para a Espanha e França e levou até a década de 1990 para erradicar através de vigilância e abate. No sul da Espanha, onde os carrapatos agiam como um reservatório adicional, os antigos prédios agrícolas foram destruídos e substituídos por instalações modernas para manter os carrapatos. "Houve um grande esforço para erradicá-lo", diz Linda Dixon, uma bióloga celular que trabalha na ASF no Instituto Pirbright, no Reino Unido.

 

A União Europeia (UE) e a brutal PSA

Segundo a reportagem "African swine fever: Everything you need to know" (por Emmet Livingstone e Simon Marks) do Politico de 14 de setembro, a PSA é uma doença incurável que afeta dos suínos e que ameaça a indústria de suínos de peso pesado da Europa.

A descoberta pela Bélgica de dois casos de PSA levanta a perspectiva de um cenário de pesadelo para as grandes explorações agrícolas do centro da UE. Desde 2014, a doença tem sido amplamente confinada ao leste do continente. Os casos belgas trazem a febre hemorrágica a uma distância impressionante dos grandes rebanhos de suínos na Alemanha, França e Dinamarca. A Europa produz 20% da carne suína do mundo e tem temores de que os parceiros comerciais globais possam reagir com uma proibição geral contra a UE, como fez a Rússia em 2014. Aqui está o que você deve saber sobre a doença.

1 - O que é a PSA? — É brutal. Primeiro surgindo no Quênia no início do século 20, a pior forma do vírus pode afligir porcos e javalis com hemorragia, febre, perda de apetite e energia, manchas vermelhas ou roxas na pele, úlceras na pele, problemas respiratórios, além de diarreia e vômitos sangrentos. A doença é altamente contagiosa e resistente. Pode ser transmitida através de muitas formas de contato, por exemplo, sendo inalado pelo ar ou transportado por vetores, como carrapatos. Permanece no ambiente durante meses e é transmitido aos animais através do contato com javalis infectados ou porcos, contato com roupas ou objetos contaminados - e até mesmo através da ingestão de carne infectada. A maioria dos animais infectados morre dentro de 10 dias, segundo a European Food Safety Authority, que produziu um prospecto ilustrando o sofrimento dos porcos doentes. Não existem curas ou vacinas conhecidas.

2 - Onde está agora? —  A febre suína africana (PSA) chegou pela primeira vez à Europa no final dos anos 1950 e só foi eliminada em alguns lugares nos anos 90. Ele permanece endêmico na Sardenha, no entanto. A doença voltou a entrar na Europa em 2007, na Geórgia, de onde se espalhou rapidamente para a Armênia, o Azerbaijão, o Irã, a Rússia, a Bielorrússia e a Ucrânia. Atravessou a fronteira para a União Europeia - para a Estônia, a Letônia, a Lituânia e a Polônia - em 2014. Apesar das medidas de contenção de emergência ordenadas por Bruxelas, a PSC atingiu a República Checa em 2017. A situação começou a espiralar este ano. Chegou à Hungria em abril, e então a Romênia começou a relatar sérios focos em fazendas de suínos - levando ao abate de cerca de 140 mil animais em uma única fazenda, além de acusações de intromissão deliberada de rivais para minar a indústria suína do país. A China, maior produtora de carne suína do mundo, teve seu primeiro surto em agosto. A Bulgária notificou então um caso de PSA no final do mês. A Bélgica é a última notificação. Autoridades de segurança alimentar disseram na quinta-feira (13) que identificaram dois javalis portadores da doença.

3 - O que a Comissão Europeia tem feito? — A União Europeia (UE) respondeu à PSA com regras destinadas a evitar a sua propagação, como a designação de zonas de infecção e a limitação do transporte de porcos dentro delas. Uma porta-voz da Comissão Europeia disse quinta-feira que a Bélgica iria espelhar as medidas utilizadas pelas autoridades checas, que incluem a restrição do acesso à zona infectada, patrulhas para encontrar carcaças de javalis e aumentar as medidas de biossegurança em explorações de suínos, entre outras coisas.

4 - Como a doença foi para a Bélgica? — As autoridades belgas ainda não estão certas de como a PSA moveu-se por milhares de quilômetros para o oeste da Europa, apesar de medidas sérias de contenção. A Federal Agengy for the Safety on the Food Chain (FASFC) da Bélgica, sugeriu quinta-feira (13) que os viajantes provenientes de uma zona infectada no leste da Europa poderiam ter inadvertidamente transportado a doença com eles. A ideia é que um sanduíche de presunto descartado na beira da estrada, por exemplo, poderia ter sido comido por um javali. O vírus também pode ser transportado em objetos, como botas.

5 - Por que o spread para a Bélgica é significativo? — A indústria de suínos da Europa está concentrada na Europa Ocidental - especialmente na Alemanha, França, Espanha e Dinamarca. Cada um desses países esperava manter a febre suína africana contida a leste de suas fronteiras, para evitar possíveis danos ao comércio. A AFSCA da Bélgica também vai querer evitar outra crise alimentar internacional: em 2017, recebeu críticas intensas por lidar com a crise de contaminação dos ovos com o [agrotóxico à base] de fipronil.

6 - Quais são os riscos comerciais? — A Europa é um grande exportador de carne suína - e os países podem perder se os governos de todo o mundo impuserem proibições de importação. Em 2016, a UE produziu um total de 23,6 milhões de toneladas métricas de carne de porco, representando 20 por cento da produção mundial. Desse total, a UE exportou 4,16 milhões de toneladas para parceiros comerciais mundiais, ou 17,6% da produção total do bloco. Embora estas exportações estejam em risco caso a PSA se espalhe ainda mais, as decisões sobre se países não pertencentes à UE irão bloquear as importações são mais complicadas. As áreas onde existem restrições comerciais dependem de se um surto afeta javalis ou porcos domésticos. Há também um acordo geralmente aceito entre os parceiros comerciais que não deve haver nenhuma proibição geral de importações de um país devido à aplicação da UE “regionalização”. Isso permite que o comércio a partir de áreas não afetadas na UE para continuar sem interrupção. A China é uma exceção notável, tendo imposto proibições em todo o país. Outros importantes destinos de exportação também estão começando a fechar seus portos para um pouco de carne suína europeia. Sérvia, Japão, Taiwan, Cingapura e Coreia do Sul proibiram as exportações de carne suína húngara, por exemplo, enquanto o Vietnã está impedindo os embarques de carne suína de vários países da UE. Se os parceiros comerciais proibirem todas as importações de carne suína da UE - como foi o caso da Rússia em 2014 - a Alemanha e a Espanha estarão em maior risco. A produção alemã de carne suína representou 5,5 milhões de toneladas, ou 23 por cento da produção total da UE, em 2017, enquanto a Espanha produziu 4,2 milhões de toneladas, ou 18 por cento da produção total. De acordo com dados de 2017, a China é de longe o maior importador de carne de suíno da UE, com cerca de 40 por cento das exportações de carne de porco da UE a irem para lá. Isto é seguido pelo Japão, Coreia do Sul, Hong Kong, Filipinas e EUA.

 

China: PSA ameaça uma indústria de US$ 128 bi

Quanto custa manter uma fiscalização agropecuária pública (credibilidade e confiabilidade) plena e de excelência?

Segundo a notícia "Swine fever mystery threatens China's $128 billion pork industry" (por  Jason Gale and Siraphob Thanthong-Knight Bloomberg News) do Sentinel Source  de 19 de setembro, seis semanas após o surgimento da peste suína africana na China, os cientistas estão empenhados em identificar como o mortal vírus dos suínos entrou no maior mercado de carne suína do mundo e se espalhou entre fazendas a centenas de quilômetros de distância.

Encontrar respostas é fundamental para impedir a disseminação internacional do que os pesquisadores russos consideram a doença suína mais perigosa. O vírus foi relatado em sete províncias chinesas desde 1º de agosto, causando a morte de cerca de 40.000 suínos e ameaçando a grande interrupção de uma indústria de US$ 128 bilhões. Também ampliou seu domínio sobre a Europa, com os primeiros casos registrados na Bélgica em 13 de setembro.

Sem vacina para proteger os animais, os pesquisadores dizem que o vírus letal - que pode sobreviver por mais de um ano em presunto curado - deve se espalhar rapidamente entre os 433 milhões de porcos da China e chegar a outros países, potencialmente até mesmo os EUA.

"O que estamos vendo até agora é apenas a ponta do iceberg", disse Juan Lubroth, diretor veterinário da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em Roma , após uma reunião de emergência de três dias em Bangcoc neste mês. O surgimento da doença em outros países "quase certamente ocorrerá", disse ele.

 

PSA na Bélgica: suínos na zona infectada serão sacrificados

Segundo a notícia "ASF Belgium: Pigs in infected zone will be culled do Pig Progress" de 24 de setembro, as autoridades belgas pretendem abater todos os suínos dentro da zona do Sul da Bélgica que foi identificada como "infectada com a peste suína africana".

O ministro federal da Agricultura do país, Denis Ducarme, solicitou um projeto de plano a ser estabelecido pela Federal Agency for the Safety of the Food Chain (FASFC). Todas as medidas serão feitas de acordo com a legislação da UE. Uma vez que o plano tenha sido elaborado, ele precisará ser aprovado, mas sua condição é de "iminente".

Ducarme disse que pode contar com o apoio (financeiro) da Comissão Europeia para implementar a medida de sacrifício dos suínos. Destina-se a prevenir a propagação do vírus aos demais suínos saudáveis. Na área infectada pela PSA existem relativamente poucas fazendas de suínos nesta área.

Ducarme disse: "Com certeza, o medo e a probabilidade são reais de que o setor de suínos possa ser atingido. Por isso, precisamos agir para proteger um setor econômico que representa € 1,5 bilhão por ano e quase 15.000 empregos diretos."

Até agora, 4 surtos de PSA foram relatados à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), elevando o total de 8 javalis infectados relatados. Um caso adicional que envolveu 3 javalis mortos encontrados em 13 de setembro foi relatado à Comissão Europeia, mas este surto não foi (ainda) relatado à OIE.

Segundo a notícia "4,000 pigs to be culled to control African swine fever in Belgium" (por Alistair Driver) do Pig World de 24 de setembro, a Bélgica deve eliminar 4.000 suínos de criação para evitar a disseminação da peste suína africana (PSA) na área infectada no Sul do país.

Uma zona de infecção de 240 milhas quadradas foi criada em torno da área infectada e, juntamente com várias outras medidas, a Bélgica planeja sacrificar cerca de 4.150 porcos nas 58 fazendas localizadas dentro dela. De acordo com a organização agrícola belga chamada Boerenbond, isso inclui três grandes empresas agrícolas, enquanto o resto são pequenas fazendas. O sacrifício dos animais inclui 350 porcas.

"Autoridades belgas tomaram a decisão certa", disse Anca Paduraru, porta-voz da Comissão Europeia. Ela disse que a luta contra a PSA é uma prioridade da União Europeia por causa da ameaça que ela, de acordo com relatórios, representa para a economia continental.

Outras medidas dentro da zona incluem restrições de trânsito e monitoramento de suínos de criação e de javalis selvagens. Alguns fazendeiros pedem a extermínio dos javalis selvagens.

A Agência de Saúde Animal e Vegetal (Animal & Plant Health Agency) do Reino Unido, no entanto, alertou que dado a grande população de javalis selvagens nessa área de florestas, será um "desafio" a erradicação do vírus da PSA. Porém, as autoridades belgas disseram que na área de infecção existem "muito poucos" suínos de criação, situação que "limita" a disseminação da PSA.

Até agora, 13 países não pertencentes à UE baniram os produtos derivados de suínos da Bélgica, após a confirmação da PSA e, como resultado, os preços da carne suína caíram.

 

Número de casos confirmados de PSA está a aumentar tanto na Bélgica como na China

De acordo com a notícia ASF cases rising in Belgium and China (por Alistair Driver) do PIGWorld de 4 de outubro de 2018, o número de casos confirmados de peste suína africana (PSA) está a aumentar tanto na Bélgica como na China.

De acordo com um relatório no site da National Pig Association (NPA) do Reino Unido, um total de 28 javalis selvagens foram diagnosticados com o vírus dentro da zona infectada que foi estabelecida em 240 milhas quadradas em território belga.

No total, 69 javalis selvagens foram encontrados mortos e a maioria é testada para PSC, incluindo 45  dentro da zona de restrição e 24 fora dela. Dos 45 javalis mortos na zona de restrição, 28 deles foram diagnosticados com o vírus da PSA, de acordo com a atualização que foi encaminhada à NPA. Nenhuma informação foi dada sobre os javalis selvagens encontrados mortos fora da zona de restrição.

A atualização em questão também diz que o abate preventivo dos porcos nas fazendas comerciais na zona de restrição foi concluído, enquanto o abate dos porcos nas fazendas de "passatempo" dentro desta zona deveria ser concluído até terça-feira (2).

A decisão de abater cerca de 4.150 porcos de criação em um pequeno número de instalações comerciais e numerosas pequenas propriedades foi tomada na semana passada pelas autoridades belgas de fiscalização agropecuária, com o apoio da União Europeia (EU). Os agricultores serão compensados ​​por financiamento nacional e da UE, após o plano do ministro da Agricultura belga ter sido endossado pela Comissão Europeia. As autoridades belgas também enfrentaram pedidos de abate indiscriminado de javalis na zona de restrição.

As autoridades europeias de fiscalização agropecuária envolvidas continuam confiantes de que as ações que estão realizando tanto na zona infectada quanto em outros países "manterão o vírus da PSA fora da população de suínos de criação". Elas enfatizaram que "pouquíssimos" porcos de criação são mantidos nessa região e que o risco destes serem infectados com a PSA permanece "limitado".

 

PSA na China: "A coisa que mais nos preocupou agora aconteceu" (Feng Yonghui, analista-chefe do portal industrial soozhu.com)

A notícia China finds African swine fever in country's south, fuelling supply worries do irlandês Independent de 22 de outubro de 2018, informa que o surto de peste suína africana (PSA) que já dura três meses da China se espalhou pela primeira vez para o sul deste país, que é justamente sua principal região consumidora de carne suína, fato que sinaliza quão profundamente a mortal doença permeou o rebanho de suínos da China, o maior do mundo.

Dois novos casos registrados na província de Yunnan, no sudoeste do país, ocorreram no domingo, quando a China entra em seu pico de produção de suínos antes do festival mais importante do país, o feriado de Ano Novo, que será realizado no início de fevereiro de 2019.

"A coisa que mais nos preocupou agora aconteceu", disse Feng Yonghui, analista-chefe do portal industrial Soozhu.com, referindo-se à disseminação de doenças do nordeste para o sudoeste da China.

A China registrou mais de 40 surtos da PSC, uma doença mortal e altamente contagiosa, em 11 províncias e municípios, catástrofe em saúde animal que já matou cerca de 200.000 suínos. Todos os surtos ocorreram nas províncias do norte e do leste da China até o primeiro caso em Yunnan, no sudoeste desse país.

 

PSA: Sul da China afetado; Japão encontra em aeroporto o mortal vírus em salsicha de carne suína

A notícia ASF China: South affected; Japan finds virus in meat (por Vincent ter Beek) do Pig Progress de 24 de outubro de 2018, afirma que a peste suína africana (PSA) se disseminou também para mais área do Sul da China [Fato que pode indicar na China o começo da perda do controle da disseminação desta doença (ndAfisa-PR)], incluindo Yunnan, Hunan e mais uma em Zhejiang. Segundo a notícia, neste fim de semana, as autoridades chinesas relataram cerca de dois focos em pequenas fazendas perto de Zhaotong, no condado de Zhenxiong, na província de Yunnan. Até agora, o surto mais extremo do sul da ASF na China estava próximo a Wenzhou, a cerca de 450 km ao sul de Xangai.

O Japão encontrou o vírus da PSA na salsicha de porco que era transportada para o país por um estrangeiro vindo de Pequim em 1º de outubro, de acordo com o Ministério da Agricultura japonês — o Japão tinha suspendido as importações de carne suína chinesa tratada com calor, após o primeiro surto de PSA na China.

O jornal nacional japonês The Mainichi informou que a salsicha, em um pacote de 1,5 kg, foi coletada de um passageiro que chegou em Hokkaido, no norte do Japão. Testes genéticos em uma estação de quarentena de animais detectaram a doença em amostras do produto na última sexta-feira (19).

A salsicha veio em um pacote de vácuo e aparentemente foi tratada com calor, sugerindo que “há poucas chances de ser contagiosa” [É prudente a sugestão de "há poucas chances" quando o assunto é PSA, altamente contagiosa, facilmente disseminada, mortal e incurável? (ndAfisa-PR)], disse um funcionário do ministério. O jornal também não acrescentou casos domésticos de infecções por vírus. Não ficou claro onde a salsicha foi feita.

 

Taiwan encontra vírus da PSA em salsicha crocante 

Segundo a notícia ASF China: WH Group under scrutiny; 59 outbreaks (por Vincent ter Beek) do Pig Progress, de todos os principais criadores de suínos da China, o Grupo WH chinês recebeu recentemente a maior atenção no que diz respeito à peste suína africana (PSA).

O Conselho de Agricultura de Taiwan informou recentemente no início de novembro que encontrou o vírus da PSA em uma salsicha crocante. Foi encontrado em um contêiner de lixo em um navio que viajava entre a província de Fujian e as ilhas Kinmen, informou o Taipei Times. As ilhas Kinmen estão localizadas ao largo da costa chinesa, mas estão sob o controle de Taiwan. Curiosamente, até agora, da província chinesa de Fujian, não foram notificados surtos oficiais de PSA em suínos vivos.

Segundo o vice-ministro da Agricultura de Taiwan, Huang Chin-cheng, a salsicha era fabricada pelo Grupo WH. Esta empresa era anteriormente conhecida como Shuanghui ou Shineway Group e é a maior produtora de carne suína da China. A Smithfield Foods nos Estados Unidos é uma de suas subsidiárias.

 

Ucrânia: frigoríficos usam carne com vírus da PSA na fabricação de produtos acabados

Segundo a notícia Even stray cats are not safe due to ASF in Ukraine (por Vladislav Vorotnikov) do Pig Progress de 12 de novembro de 2018, as preocupações sobre a expansão da PSA crescem na Ucrânia. Isto está acontecendo contra um tisnado fundo onde vários frigoríficos de processamento de carne suína tentam usar carne infectada com o vírus da PSA na fabricação de produtos acabados. Essa notícia foi compartilhada pela própria agência de fiscalização agropecuária pública desse país.

Falando em uma conferência de imprensa em Kiev, Volodimir Lapa, presidente do Serviço Veterinário e Fitossanitário da Ucrânia disse que "havia preocupações com a distribuição extremamente alta do vírus em produtos acabados de carne suína na Ucrânia".

Uma das investigações mais recentes, realizada em 12 regiões ucranianas, não mostrou a presença do vírus nas prateleiras dos supermercados, de modo que, segundo Lapa, os resultados reais foram muito melhores do que o esperado. Ele acrescentou que isso não significa que não haveria produtos infectados. Por esse motivo, esse monitoramento será realizado de forma regular.

 

Pig ProgressDossiê da peste suína africana (PSA)

As informações mais recentes sobre o vírus da peste suína africana e o que você pode fazer para impedir que essa terrível doença se instale e se dissemine.

Recentes surtos de PSA; prevenção da PSA; entenda o vírus da PSA e surtos anteriores de PSA.  

Modificado em 7-11-2018 em 13:00

 

Notícias vinculadas:

12-11-2018 - Pig Progress & Even stray cats are not safe due to ASF in Ukraine [The developments show, however, that concerns about the further spread of ASF are growing in Ukraine. This is happening against a background several meat processing plants attempting to use meat of infected pigs for manufacturing finished products. That news was shared by law enforcement agencies]

7-11-2018 - Pig Progress & ASF China: WH Group under scrutiny; 59 outbreaks [Of all major swine producers in China, the Chinese WH Group has recently received the most attention with regards to African Swine Fever]

2-11-2018 - Taipei Times & ASF virus found in PRC sausage [A first: Of the 690 items tested since quarantine checks were increased at the end of August, the package of sausauges was the first meat product to have the virus]

29-10-2018 - Pig Progress & ASF China: Kitchen waste blamed; outbreaks in the south [The Chinese ministry of agriculture has identified various reasons for the quick introduction and spread of African Swine Fever: swill feeding, long-distance transports and in an earlier stage, porcine plasma. All current practices have to change]

24-10-2018 – Pig Progress & ASF China: South affected; Japan finds virus in meat [African Swine Fever (ASF) has descended to also affect more areas in the south of China, including Yunnan, Hunan and one more in Zhejiang. In addition, Japan has reported the finding of ASF virus in imported meat at an airport. The batch has been destroyed]

22-10-2018 - The Maininchi & African swine fever virus detected in luggage at Hokkaido airport [Highly contagious African swine fever virus has been detected in the luggage of a traveler from China at a Hokkaido airport, Japan's farm ministry said Monday] 

22-10-2018 - Independent & China finds African swine fever in country's south, fuelling supply worries [China’s three-month old outbreak of African swine fever has spread for the first time to the country’s south, its major pork-consuming region, signaling how deeply the deadly disease has permeated the country’s pig herd, the world’s largest]

19-10-2018 - Pig Progress & ASF China: 10th region hit, big farms need attention [Updates with regard to African Swine Fever (ASF) are coming in at a high pace this week. A 10th region officially reported to be hit by the virus as the Chinese authorities are demanding a higher degree of oversight of larger swine farms in order to face the challenges]

15-10-2018 - Pig Progress & ASF China: Commercial farm hit; virus reaches Tianjin [African Swine Fever (ASF) appears to have gotten out of control in China. The authorities have reported the first large commercial farm to have been hit, the Tianjin municipality is the 9th province to confirm an outbreak – and it looks like there is more going than is being confirmed through official channels]

15-10-2018 - Reuters & African swine fever hits China farm with 20,000 pigs as risks rise

9-10-2018 - Pig Progress & Brazil: CSF outbreak outside the disease-free zone [The Brazilian Ministry of Agriculture, Livestock and Supply (Mapa) has confirmed the outbreak of Classical Swine Fever (CSF) in the city of Forquilho, in the northern state of Ceará. It was the 1st confirmed outbreak in Brazil in almost a decade]

 

 

9-10-2018 - Pig Progress & ASF Belgium: Army blamed, plea for more fencing, 26 cases [Belgian media have identified a 3rd possible route as to how African Swine Fever might have entered the country: through a military camp site. In the meantime, the European Commission is an advocate of the ‘Czech method’ to combat ASF]

8-10-2018 - RTBF & Peste porcine: la localisation du foyer de l'infection se précise

8-10-2018 - Pig Progress & 10 Key questions about the risk of ASF

4-10-2018 - Pig World & ASF cases rising in Belgium and China [The number of confirmed cases of African swine fever (ASF) is rising in both Belgium and China]

4-10-2018 - The Brussels Times & Number of wild boars infected by African swine fever risen to 32 [The number of wild boar carcasses that have tested positive to African swine fever has risen to 32, according to Walloon Minister of Agriculture, René Collin]

4-10-2018 - Farmers Weekly & 28 wild boar infected with African swine fever in Belgium

2-10-2018 - Ministerie van Landbouw, Natur en Voedselkwaliteit (Holanda) & The African Swine Fever in Poland does not let go [Poland: The Chief Veterinary Officer (21/09) informed about two new ASF outbreaks. Both occurred in the south-east Poland (region of Lublin), in small backyard farms (one farm with one pig and second farm with four pigs). Both backyard farms were located in the area of risk (the area defined in part III of the Annex to the EC Decision 2014/709 / EU), where the outbreaks had already occurred earlier this year]

1-10-2018 - Pig Progress & African Swine Fever in Belgium? Don’t panic! [As Spain fought hard in the 1980s and 1990s to eradicate African Swine Fever, the country has always had a research focus on the virus. With ASF being top of mind once more, it is time to listen to the reaction of Spanish ASF expert Fernando Rodríguez]

Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) & Investing in biosecurity: a key step to curb the spread of animal diseases [Animal diseases, such as avian influenza or African swine fever, know no borders and can continually affect new areas. Reducing the risk is possible through the implementation of procedures designed to avoid the introduction and spread of pathogens in animal populations. Veterinary Services in collaboration with the numerous stakeholders working with animals have a key role in ensuring that appropriate biosecurity measures are in place. A recent survey conducted among OIE Members of the Europe Region shows the current challenges faced in this regard]

24-9-2018 - Pig Progress & ASF Belgium: Pigs in infected zone will be culled [The Belgian authorities aim to cull all domestic pigs within the zone in southern Belgium that has been identified as 'infected with African Swine Fever']

 

Crédito imagem: Photo: Atelier 68

 

21-8-2018 - Pig Progress & ASF Belgium: 1 more carcass; 13 countries ban imports [One more infected wild boar carcass has been found in the forests of southern Belgium, bringing the total of ASF affected animals to 8, in 4 different locations around the same village. In the meantime, 13 non-EU countries have (partly) banned pig or pork imports from Belgium]

20-9-2018 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) & Ministério amplia medidas para barrar eventual ingresso da peste suína africana

19-9-2018 - Correio dos Campos & Brasil reforça vigilância para barrar eventual ingresso da peste suína africana

19-9-2018 - Sentinel Source & Swine fever mystery threatens China's $128 billion pork industry [China’s most recent outbreaks, involving backyard pigs in Inner Mongolia, were reported Sept. 14. Now that African swine fever, or ASF, has taken hold, the virus could disseminate rapidly via the illegal sale of moribund pigs by farmers trying to minimize their losses, according to scientists at the Institute of Military Veterinary Medicine in Changchun. It’s common for pigs to travel long distances in China due to the disparity of pork prices in different provinces, the scientists at the National Research Center for Veterinary Medicine said. This could explain how it reached places like Lianyungang and Yueqing, more than 534 miles apart]

19-9-2018 - The Fence Post & African Swine Fever shifts global protein picture

 

 

18-9-2018 - Pig Progress & Baltic states cull 35,000 pigs due to ASF [Whilst African Swine Fever (ASF) is spreading across China and penetrating Western Europe, the picture in Baltic States remains very complicated. Latvia and Lithuania had to cull in total almost 35,000 pigs]

17-9-2018 - Pig Progress & ASF in China and Belgium: What is the latest? [As Belgium is slowly coming to terms with the fact that African Swine Fever is present in the country, additional outbreaks are reported in wild boar. In the meantime, China has reported ASF outbreaks in a new province: Inner Mongolia]

Organización Mundial de Sanidad Animal (OIE) & Código Sanitario para los Animales Terrestres (2018)

Animal and Plant Health Agency (Applies to: England, Scotland, and Wales) & African swine fever: how to spot and report the disease [How to spot African swine fever, what to do if you suspect it and measures to prevent its spread/We’ve published some photos of clinical signs of disease of African swine fever on Flickr]

Animal and Plant Health Agency (Applies to: England, Scotland, and Wales) & Classical swine fever: how to spot and report the disease [How to spot classical swine fever, what to do if you suspect it, and measures to prevent its spread]

European Commission & African swine fever [What is African swine fever? - Current situation - Control measures - EFSA scientific advice - Blueprint and Roadmap (BRMP) - ASF Diagnostic Manual - Description of the diseas]

Conselho da Comissão Europeia & DIRECTIVA 2001/89/CE DO CONSELHO de 23 de Outubro de 2001 relativa a medidas comunitárias de luta contra a peste suína clássica

Conselho Comissão Europeia & DIRECTIVA 2002/60/CE DO CONSELHO de 27 de Junho de 2002 que estabelece disposições específicas em relação à luta contra a peste suína africana e que altera a Directiva 92/119/CEE no que respeita à doença de Teschen e à peste suína africana

Oficina Regional de la FAO para America Latina y el Caribe/Organización de las Naciones Unidas para la Agricultura y la Alimentación/Roma, 2003 & Reconociendo la peste porcina clásica/Manual Ilustrado

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) & Programa Nacional de Sanidade dos Suídeos (PNSS)/Situação Sanitária do Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) & Principais normas sanitárias vigentes

14-9-2018 - Politico & African swine fever: Everything you need to know [An incurable pig disease is threatening Europe’s heavyweight pork industry] 

14-9-2018 - Express & African swine fever reaches western Europe in blow to EU pork exports & [TWO cases of African swine fever have been identified in wild boars in Belgium – sparking fears of an ban on exports to non-EU countries which would come as a crippling blow to the pork industry]

14-9-2018 - Global Meat News & African Swine Fever confirmed in Belgium & Belgian authorities have confirmed African Swine Fever (ASF) in its pig popluation 

 

 

14-9-2018 - The Guardian & Europe's farmers on red alert as deadly African swine fever spreads to Belgium [Calls for a mass cull of wild boars to protect pork industry after disease is found in two animals in Gaume]

14-9-2018 - Pig Progress & Call for urgent action as ASF hits Europe’s heart [Countries in Western Europe have reacted with gravity and urgency to the discovery of African Swine Fever in 4 wild boars in southern Belgium. They all call for immediate action]

13-9-2018 - Pig Progress & Belgium confirms cases of ASF in wild boar & Belgium has confirmed the outbreak of 2 cases of African Swine Fever (ASF) in their wild boar population. It is the 1st known occurrence of the viral disease in Western Europe since the virus landed in Georgia and Armenia in 2007]

11-9-2018 - Pig Progress & How easily can the swine fevers enter the USA? [Could air passenger luggage be a threat with regard to the importing of Classical or African Swine Fever into the United States? US-based researchers made an estimate]

Pig Progress & African Swine Fever (ASF) in China [Outbreaks: 18 (OIE)]

10-9-2018 - Pig Progress & Japan finds 1st Classical Swine Fever (CSF) case in 26 years [For the 1st time in 26 years, an outbreak of Classical Swine Fever (CSF) has been found in Japan. The presence of the viral disease, also known as hog cholera, was confirmed by the Japanese ministry of agriculture]

9-9-2018 - Channel New Asia & Japan culls livestock after hog cholera outbreak

9-9-2018 - Reuters & Japan finds first swine fever case in 26 years, but not African fever

3-9-2018 - The Guardian & 'It's not if, it's when': the deadly pig disease spreading around the world [Swine fever has made its way into China, home to half the world’s pigs. Farmers in Estonia are already counting the cost]

7-8-2018 - Global Meat News & Global battle against ASF steps up a gear [Epidemic may be too strong a word, but African Swine Fever (ASF) ins spreading across the wold and nobody's quite sure how stop it]

27-8-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: os fiscais agropecuários do Estado do Paraná, tratados como "menos iguais", são desvalorizados e injustamente remunerados [Fundamental e estratégica para o contexto socioeconômico do Estado do Paraná, sua fiscalização agropecuária pública é subvalorizada e precisa se desenvolver]

13-8-2018 - Contraponto & MPF quer transparência nos atos ambientais

11-8-2018 - Livre.Jor & MPF cobra transparência de órgãos ambientais do Paraná [A procuradoria do Ministério Público Federal (MPF) no Paraná publicou recomendações cobrando transparência de dados públicos na ambientais pela internet ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), ao Instituto de Terras Cartografia e Geociência do Paraná (ITCG) e a Agência de Defesa Agropecuária (Adapar). Segundo os documentos, os órgãos têm até 120 dias para publicar uma série de documentos em seus portais, como Situação dos processos de regularização fundiária, Guia de Trânsito Animal (GTA), Licença Ambiental Única (LAU), Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), Autos de infração e Julgamentos de infrações]

19-7-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & O Brasil é considerado um país-chave no mercado mundial de carne  [Porém, o Brasil, ao invés de se preparar para se fixar cada vez mais e de se  manter com sucesso no mercado global de carne, optou por ser "colecionador" de suspensões, embargos e bloqueios]

19-7-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: a perda do significativo mercado de carne da Rússia [O Brasil respondia por 90% da carne suína importada pela Rússia! Hoje, corresponde a 0%! E os responsáveis?]

11-7-2018 - European Food Safety Authority (EFSA) & African swine fever: EFSA assesses measures to prevent spread [EFSA has identified strategies for managing wild boar at different stages of an epidemic of African swine fever (ASF): what should be done before, during and after. Wild boar are known to play an important role in the spread of the disease]

11-7-2018 - European Food Safety Authority/EFSA Channel & African Swine Fever: how to stay one step ahead [EFSA’s new practical guide on African swine fever: what it is and how to protect domestic pigs from infection. From causes and symptoms to precautionary measures, a list of best practices on how to protect farm animals and wild boar populations from ASF. - For more information consult the ASF topic page and story map on the EFSA website http://goo.gl/oU3EdD - For more on control measures visit the European Commission website, ASF section https://ec.europa.eu/food/animals/animal-diseases/control-measures/asf_en]

 

 

12-4-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: Afisa-PR pedirá ao Ministério da Agricultura se é legal a "privatização" da emissão de GTAs no Paraná ["Termo de cooperação" "autoriza" sindicatos rurais patronais  a "emitir" e "fornecer" a Guia de Trânsito Animal (GTA), registro de vacinação, emissão de taxas e "outros documentos"]

21-2-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & MP-PR instaura inquérito civil para apurar suposto prejuízo ao erário [Os contêineres foram locados e destinados à "fiscalização" do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados]

27-6-2017 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & MP-PR investiga a fiscalização do trânsito de animais, vegetais e seus produtos derivados ["A necessidade de investigar a ADAPAR"]

21-12-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & FMD: One of the most strategic regions of the State of Parana is in trouble due to inadequate number of workers actins in agricultural checkpoints along the border (ACAB)

10-5-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Afisa-PR contesta liberação da entrada de produtos de origem animal trazidos por turistas [O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) publicou instrução normativa que permite o ingresso, entre outros, de produtos lácteos industrializados (como queijos franceses e doce de leite argentino) e carnes e embutidos (como salames espanhóis e peixes defumados)]

31-5-2011 - Journal PLOS & The Persistence of African Swine Fever Virus in Field-Infected Ornithodoros erraticus during the ASF Endemic Period in Portugal

Diferenciações entre as enfermidades hemorrágicas dos suínos & PSC, PSA, pasteurelose, salmonelose e erisipela

 

Veja também o  Facebook da Afisa-PR e   @AFISAPR da Afisa-PR